[Claquete] Beleza Roubada retrata enigmas da juventude

Liv Tyler é Lucy

“A vida, que vai desaparecer de uma vez por todas, e que não mais voltará, é semelhante a uma sombra, que ela é sem peso, que está morta desde hoje, e que, por mais atroz, mais bela, mais esplêndida que seja, essa beleza, esse horror, esse esplendor não tem o menor sentido”. Esta explosão de eloquência é do escritor Milan Kundera, no livro ‘”A insustentável leveza do ser”, mas descreve a perenidade da juventude e existência humana, aparentes no filme Beleza Roubada, dirigido por Bernardo Bertolucci. É simultaneamente um quadro tão íntimo, particular e efêmero, que alguns consideram uma obra menor do diretor. E, para um telespectador desatento, pode sim, não passar de uma estória simples, comum. No entanto, um olhar mais cuidadoso observa a sensibilidade existente na condução do roteiro.São narradas as férias da americana Lucy, de 19 anos, imersas em mistérios e descobertas íntimas. Ela vai à Itália procurando amor e respostas. Encontra surpresas e decepções. Mas verdadeiramente  se encontra. Vê ao mundo e a si mesma num cenário idílico. E, através de seus olhos, fica-se curioso também. A fotografia é impecável,e detalhes sutis compõem o viés artístico que recheia  o longa.

“Beleza Roubada tem um ritmo lento, mas longe de ser monótono. A impressão é a de ver algo irreproduzível, como apreender a aura de uma verdadeira obra de arte”.

A genialidade da obra é nos fazer sentir exatamente como os anfitriões da garota americana. Todos  protagonizam algum momento de subjetividade. E, de uma forma ou de outra, são arrebatados pela  beleza autêntica da visitante.

Uma trilha sonora irretocável, de Peter Afterman e Karyn Rachtman, acompanha as aventuras de Lucy. Cenas de amor e sensualidade são conduzidas ao som de Billy Holiday, Nina Simone, Portshead, Jimi Hendrix, Steve Wonder e muitos outros.

Beleza Roubada tem um ritmo lento, mas longe de ser monótono. A impressão é a de ver algo irreproduzível, como apreender a aura de uma verdadeira obra de arte. Este precioso momentosinho fugaz é o que significa esse filme.

Ficha Técnica:
Beleza Roubada (Stealing Beauty, 1996) – 113 minutos
Direção: Bernardo Bertolucci
Estrelado: Jeremy Irons, Liv Tyler e Carlo Cecchi
Roteiro: Susan Minot e Bernardo Bertolucci

Texto: Manoela Cavalcanti
(manu_satine@hotmail.com)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s