[Foca Nessa] Para ler, ver e ouvir: A invenção de Hugo Cabret

Cena do filme de Martin Scorsese, "A invenção de Hugo Cabret" / Foto: Divulgação

Quem nunca tinha ouvido falar sobre a estória A invenção de Hugo Cabret (ou Hugo), depois da premiação do Oscar 2012, teve a oportunidade de conhecê-la superficialmente graças as cinco estatuetas (melhor fotografia, melhor direção de arte, melhor edição de som, melhor mixagem de som e melhores efeitos visuais) que o filme de Martin Scorsese recebeu durante a cerimônia.

Na realidade o longa é baseado na obra homônima de Brian Selznick e devido a grande repercussão que ganhou nos últimos meses, resolvi dedicar o Foca Nessa de hoje a esta obra tão fascinante.

Foto: Divulgação

Para quem gosta de cinema, mágica e, claro, aventura, esta estória é um prato cheio. E embora ainda não tenha assistido ao filme, creio que graças as gravuras em estilo de story board  que o livro traz, não deva ter sido tão difícil tornar a adaptação fiel a obra.

Lançado em 2007, o livro traz uma maneira bastante peculiar de leitura. Rico em gravuras. Eis a primeira característica que desperta atenção assim que o leitor entra em contato com as primeiras páginas do livro. Sim, é uma literatura infantil ou infanto-juvenil, por isso, também as gravuras. No entanto, nesta obra estas imagens são elementos fundamentais para estória.

Página-a-página, cena-a-cena, como na telinha

Selznick mistura duas formas narrativas: imagem e texto, interagindo com o leitor de modo bastante dinâmico. A sensação é como se estivéssemos lendo e ao mesmo tempo assistindo essa leitura. E essa é realmente a intenção do autor. Cada gravura representa uma cena, faz parte do desenrolar da trama. Este é um dos fatores – se não o fator – principal, acredito eu, deste livro também chamar atenção do público mais velho. Além do enredo, claro, como disse anteriormente, que é fascinante. Para muitos, este trabalho é considerado uma obra-prima, tanto que o escritor ganhou, em 2008 a Medalha Caldecott pelo livro.

Vigilante dos ponteiros

Ilustração do livro / Foto: Divulgação

A estória se passa na França, da década de 30, especificamente em Paris, e tem como personagem principal o menino Hugo. Garoto órfão, ele é responsável por manter o correto funcionamento dos relógios da estação de Paris. Ele nunca os deixa atrasar o horário. Analisa suas peças com zelo para que os relógios marquem sempre as horas sincronizadamente. Vive no anonimato, sorrateiro, caminha por entre dutos de ventilação, não deseja que ninguém saiba como os relógios funcionam de modo tão harmônico, pois isto custaria a sua maior preciosidade, um segredo que ninguém jamais pode pensar em descobrir.

Em meio ao sofrimento de ter perdido o tio e o pai, o garoto se detém, durante a madrugada, em consertar e aprimorar uma invenção quebrada, deixada pelo pai. Para isso, rouba brinquedos da loja da estação a fim de utilizar suas peças. É justamente por esses furtos que o segredo de Hugo corre sérios riscos de ser descoberto. O dono da loja, Georges, desconfia dos assaltos, finge dormir enquanto o observa. Este senhor e sua afilhada, Isabelle, garotinha tão jovem quanto Hugo, aparecem como um terrível obstáculo para o garoto e a misteriosa invenção de seu pai: um autômato de aparência humana, cujo projeto, Hugo carrega em um caderninho dentro de seu bolso, assim como as pecinhas dos brinquedos furtados.

Mas o mistério não caba por aí. Ainda há uma chave, que está ligada com a criação de seu pai, além de outros mistérios que envolvem a invenção.

Se não assistiu o filme, confira o trailer:

E se ficou curioso para ler o livro, veja a prévia aqui.

Texto: Renata Frota
Orientação: Profa. Janayde Gonçalves

2 comentários em “[Foca Nessa] Para ler, ver e ouvir: A invenção de Hugo Cabret

  1. Ainda não li o livro, mas espero lê-lo em breve! Porém vi o filme e amei! Tanto que cheguei a fazer duas postagens sobre ele no meu blog: http://migre.me/8tqzl e http://migre.me/8tqAR O filme possui fatos, acontecimentos e personagens que são reais e muitas pessoas não conhecem, acho que nem as crianças, para estas fica mais o mundo imaginário, a aventura de Hugo, mas há muitas pecinhas neste filme que retratam Paris! Achei excelente!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s