[Claquete] Diálogos de amor e delírio

Eu Sei Que Vou Te Amar

Um casal recém-separado, após um casamento de seis anos, marca um encontro depois de um breve intervalo sem se ver. A partir desse encontro, vai se desencadear um intenso diálogo de amor, medos e desejos, intercalado com monólogos líricos e delirantes, além de imagens clipadas evocando memórias e cenas de incrível poder visual gravadas no calçadão de Copacabana com a então jovem atriz Fernanda Torres (ganhadora do prêmio de melhor atriz no Festival de Cannes na ocasião).

Eu Sei que Vou te Amar é dirigido pelo conceituado cineasta, jornalista e crítico Arnaldo Jabor (indicado ao Palma de Ouro pela obra), e estrelado por Fernanda Torres e Thales Pan Chacon (ator, bailarino e coreógrafo brasileiro já falecido). A trama é centrada no romance louco, denso e apaixonante dos dois protagonistas, aos quais não são dados nomes: ficam apenas ele e ela, representando não somente os próprios papéis, mas atuando como uma espécie de casal universal, a personificar o inconsciente das relações a dois.

eu-sei-que-vou-te-amar(1)

Abordando de um ângulo inovador os elementos comuns às discussões ocorridas no âmago das relações românticas (conhecidas comumente como DRs¹), Eu Sei que Vou te Amar evoca uma intensa e reveladora sessão de psicanálise de casal, em que duras confissões são feitas, gentis mentiras são ditas e a paixão é expressa em sua forma mais nua e visceral. O filme apresenta direção de arte notável, a cargo de Lauro Escorel Filho, com figurino aos cuidados da consultora de estilo, Gloria Kalil, e tendo como cenário uma casa projetada por Oscar Niemeyer, em 1948.

image_preview

Eu Sei que Vou te Amar merece destaque também por seu aspecto técnico: trata-se de um dos raríssimos exemplos nacionais da assimilação da linguagem do vídeo pelo cinema de ficção. A obra, segundo Ivana Bentes (2003), “faz do vídeo um aliado de uma sensibilidade urbana dilacerada e ao mesmo tempo fascinada pelo universo do artifício, do falso e da metalinguagem”².

No ano de 2007 (21 anos depois de seu lançamento), a película deu origem ao livro homônimo de Arnaldo Jabor – em ambas as obras; pode-se constatar a atualidade e o poder catártico de seu conteúdo. Trata-se, em suma, de um filme capaz de abordar de forma intensa e, ao mesmo tempo delicada, um tema tão caro à sensibilidade artística e ao imaginário cotidiano. Um clássico do cinema nacional, sucesso de público e de crítica.

¹Discussões de relação

²BENTES, Ivana. “Vídeo e Cinema: rupturas, reações e hibridismo”. In: Made in Brasil. Três décadas do vídeo brasileiro. Org. Arlindo Machado. São Paulo: Itaú Cultural, 2003. pp. 113-132

Ficha Técnica

Título Original: Eu Sei que Vou te Amar
Ano: 1986
Direção: Arnaldo Jabor
Origem: Brasil
Duração: 110 min
Gênero: Drama

Texto: Lia Martins

Um comentário em “[Claquete] Diálogos de amor e delírio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s