Festival Internacional de Biografias atrai público variado

Show da banda Transacionais, encerramento do primeiro dia do Festival Internacional de Biografias. Foto: Priscila Baima
Show da banda Transacionais, encerramento do primeiro dia do Festival Internacional de Biografias. Foto: Priscila Baima

Na quinta-feira, 14 de Novembro, no Estoril, Praia de Iracema, iniciou-se o I Festival Internacional de Biografias, que contou com presenças ilustres e espaços para debater a produção biográfica na Literatura e Cinema, além de bandas musicais, DJs, e uma feira de livros, para lançamentos e exposições.

O Festival atraiu artistas e intelectuais de várias áreas, como Hortenha Glauce, que é arte-educadora, atriz, diretora de teatro e atualmente está envolvida com projetos educativos e culturais. O que trouxe Hortenha, que também já foi diretora do Grupo Mirante de Teatro da Universidade de Fortaleza, foi sua paixão por biografias. “Escolhi esse horário especialmente por conta da palestra de Fernando Morais, um biógrafo brilhante, que fez com que eu me apaixonasse por biografias a partir da de Olga Benário Prestes. Estou coordenando um projeto chamado Mercadores da Imaginação, uma biblioteca itinerante, que visita periferias e diverosos bairros, levando leitura para a população. Nada melhor que juntar a ideia da leitura, do projeto, com o Festival, que tem tudo a ver com o nosso trabalho atualmente”, relatou.

Prefeito Roberto Claudio. Foto: Maria Navarro
Prefeito Roberto Claudio. Foto: Maria Navarro

Os interessados puderam desfrutar de um ambiente agradável e próximo ao mar, para conversar sobre obras e escritores importantes. O evento, gratuito, permitiu o debate cultural na cidade. Para o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, “é importante que Fortaleza seja sede de um encontro nacional que traz biógrafos de grandes quilates. Temos os nossos próprios, como Lira Neto e muitos outros, mas também temos aqui Fernando Morais, dando a oportunidade do povo de ouví-los e dar suas opiniões a respeito desse cenário (…). O evento em si que é muito importante, por trazer acesso pessoal à esses biógrafos, conversar com eles, interagir com o debate que está acontecendo hoje à noite, ter acesso às suas obras, e ao mesmo tempo ter entretenimento do valor de Jorge Mautner e Jards Macalé, que é muito bacana. Fico muito feliz em saber que a minha cidade está recepcionando um evento dessa natureza”.

Fernando Morais. Foto: Lívia Carneiro
Fernando Morais. Foto: Lívia Carneiro

Para o próprio Fernando Morais, que, além de “Olga”, escreveu diversas outras biografias, como a de Assis Chateaubriand (“Chatô – O Rei do Brasil”), muito indicada para os cursos de Comunicação Social em diferentes Universidades, o convite para participar do evento foi ótimo. “O Festival seria importante em qualquer ocasião, mas ele adquire um significado especial pela coincidência de acontecer no meio dessa polêmica sobre biografias. Acho que não poderia haver um momento mais apropriado para tratar desse tema do que agora. É uma coincidência feliz, e a ameaça que paira sobre os livros não é só sobre as biografias, mas é sobre toda a produção de não-ficção no Brasil”, explicou ele, referindo-se à atual discussão sobre os direitos autorais e liberdade de expressão na Literatura, que afeta os biógrafos.

Reunindo o poeta popular ao mais cultuado escritor, o primeiro dia do I Festival Internacional de Biografias encerrou com o show da banda Transacionais, e segue com suas atividades até domingo, 17 de novembro.

Texto: Gustavo Nery

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s