[Foca Nessa] Corrida para glória

Corrida-Para-A-Gloria

O livro Corrida para a Glória, escrito pelo britânico Tom Rubython, que inspirou o filme Rush – No limite da emoção, é uma espécie de viagem no tempo para os anos 70, mostrando a primeira rivalidade midiática da história da F1, protagonizada pelo austríaco Niki Lauda e o inglês James Hunt.

Com riqueza de detalhes, o livro não só reconta as histórias de bastidores dos dois pilotos na temporada de 1976, uma das mais emblemáticas da história da F1, como também relata as dificuldades que ambos enfrentaram para alcançar o estrelato, de suas diferentes formas. De um lado, Niki Lauda com sua disciplina germânica e, do outro, James Hunt, um piloto boêmio e romântico.

A temporada de 1976

No livro, cada Grande Prêmio desta temporada é minuciosamente detalhado, o que pode tornar a obra monótona para quem não é familiarizado com universo do automobilismo, mas o detalhes dos GPs intercalam-se com a vida privada dos pilotos, seus casamentos e divórcios e dramas pessoais, fazendo com que o leitor leigo sobre a F1 também sinta-se familiarizado com a história e mergulhe no mundo do esporte a motor. Além disso, todo o cuidado para mostrar o que realmente aconteceu nesta temporada, é crucial para o desenrolar da trama.

 As intrigas de bastidores são reveladas e relatadas, como o dia em que a McLaren mandou seus carros para o Japão – em uma manobra que deixou os dirigentes da Ferrari revoltados -, para que Hunt pudesse testar os veículos na pista do Monte Fuji e tivesse alguma vantagem sobre Lauda; e a volta de Lauda para Monza, depois do seu gravíssimo acidente – um dos pontos cruciais da trama – , mostrando o apoio incondicional da torcida pela sua volta, algo bastante incomum no universo da F1.

Relacionamento

Embora o estilo de vida dos dois pilotos fossem completamente diferentes, – por um lado, Hunt era conhecido pelas suas orgias e vício em bebidas e cigarro; e de outro lado, estava Lauda que dormia e acordava cedo e cuidava de sua saúde física e mental – Corrida para a Glória deixa claro que a rivalidade de Lauda e Hunt sempre foi esportiva, já que os pilotos se respeitavam bastante, mesmo tendo alguns conflitos normais.

Pontos negativos da obra

O livro pecou em alguns detalhes. O fato de Tom Rubython ser um autor inglês pode ter colaborado para que, na obra, Hunt seja exaltado em vários momentos e Lauda diminuído em outros, principalmente na vida particular de ambos, já que como piloto a qualidade de Lauda era incontestável. Na obra, o austríaco foi criticado e questionado diversas vezes por ter deixado uma namorada antiga para engatar um relacionamento com Marlene, com quem ficara casado por quase 20 anos. Mas o autor não condena James Hunt por viver cercado por bebidas e mulheres. Muito menos por ter terminado seu casamento com Suzy Miler da forma mais hostil possível.

Entretanto, são apenas pequenos deslizes que já eram esperados pelo fato do autor ser compatriota de James Hunt. O livro, em sua totalidade, merece toda a atenção, principalmente pela riqueza de detalhes existentes na obra. A temporada de 1976 de F1 merecia ser relatada da forma mais fidedigna possível e Corrida para a Glória cumpre essa missão.

Texto: Tatiana Alencar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s