Pesquisa científica na internet atrai cada vez mais adeptos

Foto: Marina Duarte
Pesquisa ao banco de dados a partir do Unifor Online Foto: Marina Duarte

Quase cinco mil alunos da Unifor aprenderam sobre base de dados no ano de 2012. De acordo com a bibliotecária responsável pelo treinamento, Mírian Lima, a demanda do curso de base de dados oferecido pelo seu departamento está aumentando a cada ano. Cada vez mais professores e alunos entendem que aprender a manusear equipamentos de pesquisa científica online facilita a vida e melhora a pesquisa.

A biblioteca da Universidade de Fortaleza disponibiliza, semestralmente, treinamento que auxilia o ensino e a pesquisa através de plataformas digitais, como por exemplo, a biblioteca digital de Teses e Dissertações. O curso é ofertado para a comunidade em geral, incluindo alunos, ex-alunos, professores e funcionários da própria instituição, que podem participar de forma individual ou através de turmas. Foram 4.784 pessoas treinada em 2012.

São oferecidos dois tipos de cursos. O módulo individual possibilita o ajuste de horário conforme a disponibilidade do participante, enquanto o treinamento por turmas precisa de um agendamento prévio. O treinamento para turmas pode ser solicitado pelos professores, reservando com antecedência os laboratórios disponíveis. As inscrições para os treinamentos podem ser realizadas na própria biblioteca da Universidade.

Segundo Míriam Lima, o treinamento capacita as pessoas para a busca direcionada de conteúdo, facilitando o encontro da informação. “O curso utiliza algumas formas diferenciadas para o conteúdo científico, estimulando as boas práticas em torno do assunto pesquisado”, enfatiza. Para a bibliotecária, é importante destacar o treinamento, pois existe diferença entre as Bases de Dados, que podem ser gratuitas ou pagas, ofertando informações diversas.

Texto: Airton Baquit

 

Banco de Dados Digital da Unifor é uma oportunidade inexplorada

* Matéria elaborada por aluno da Oficina de Jornalismo – Ciberjornalismo.

UNIFOR_Logo_2A biblioteca da Unifor possui um vasto banco de dados de acesso livre e restrito que é pouco utilizado por professores e alunos. A importância deste banco é de grande utilidade tanto para os alunos que estão prestes a se formar e escrevendo suas monografias, quanto para aqueles que estão imersos em projetos de pesquisa ao longo do curso. A biblioteca disponibiliza um serviço de treinamento de uso desses bancos de dados que, apesar de ser gratuito e bastante útil, é pouco explorado.

biblioteca1O treinamento “Uso de Bases de Dados Digitais”, realizado por profissionais qualificados, engloba a descoberta e utilização dos bancos de dados digitais que a universidade disponibiliza, mas que é pouco usufruído por seus integrantes. O conteúdo apresentado durante o treino confere o uso das bases de dados digitais, como Ebsco, Host e Scopus, bem como permite aos alunos consultar inúmeros e-livros e sites para pesquisa e elaboração de referências e artigos periódicos.

A aluna de Comunicação Géssica Saraiva, que cursa o 6° semestre, assistiu a uma das aulas de treinamento e falou sobre a necessidade de uma melhor divulgação da existência desse serviço.

“Estou perto de concluir a faculdade e só agora fiquei sabendo da disponibilidade desses recursos. Com certeza se soubesse antes já os teria usado, já teria acessado esses bancos de dados para ajudar em pesquisas durante o curso, já teria baixado vários e-livros para ler. Acho que esse treinamento devia ocorrer para todos os alunos logo no início do curso, assim que ingressam na universidade, e não só quando solicitado por alunos ou professores.”

O conteúdo disponibilizado pela biblioteca da Unifor consiste de bases de dados de acesso restrito, bases de dados de livre acesso, biblioteca digital de teses e dissertações, e-livros, modelos para referências e sumário de artigos de periódicos (jornais online), dentre outros.

Para mais informações, acesse o link ou entre em contato pelo número (85) 3477-3169 para solicitar o treinamento “Uso de Bases de Dados Digitais”.

Texto: Camila Cavalcante e Georges Anderson