Unifor recebe 15ª edição do Festival Eleazar de Carvalho

Foto: Amanda Carneiro
Alunos aprimoram o aprendizado com cursos e oficinas. Foto: Amanda Carneiro

Desde o dia 30 de junho, está acontecendo na Unifor o Festival Eleazar de Carvalho, trazendo para o ambiente, já marcado pelo canto comum dos pássaros e fontes, os sons de coros e de instrumentos como violoncelos, pianos e oboés.

Eleazar de Carvalho, diretora artística do festival. Foto: Amanda Carneiro
Sônia Muniz Carvalho, diretora artística do festival. Foto: Amanda Carneiro

O festival internacional chega à sua 15ª edição, promovendo a difusão da música clássica por meio de concursos para jovens solistas e regentes, como também através de concertos abertos e gratuitos. “De manhã temos ensaios de banda, de coro e de orquestra; à tarde, aulas individuais e as masterclasses, e todas as noites têm concertos variados”, esclarece Sônia Muniz Carvalho, viúva do maestro cearense Eleazar de Carvalho e diretora artística do festival.

Desde 2005, a Fundação Eleazar de Carvalho mantém parceria com a Unifor, que oferece a estrutura para que alunos e professores, do Brasil e de várias regiões do mundo, possam se reunir e trocar experiências.

Matheus Santos. Foto: Amanda Carneiro
Matheus Santos. Foto: Amanda Carneiro

Em 21 dias de atividades musicais intensas, os jovens, previamente aprovados em testes, têm a chance de aprimorar seus conhecimentos. O aluno Matheus Santos, toca contrabaixo há dois anos e está participando do festival pela primeira vez. “Estou gostando muito. O meu grupo foi convidado para assistir o festival, mas eu ganhei a oportunidade de ficar aqui para ter aula”, revela.

O festival deste ano homenageia Peter Mennin, Almeida Prado, Richard Wagner, Giuseppe Verdi, Camargo Guarnieri e Francis Poulenc, grandes nomes da música erudita.

 

Programação

Teatro Celina Queiroz – apresentações diárias, a partir das 20h30
Teatro José de Alencar – dia 13, 20h. Grátis.
Campus Unifor – dia 21, 19h. Concerto de encerramento.

Texto: Lígia Costa

Mais wi-fi no campus

O equipamento de marca Cisco vai ampliar o acesso à internet. Foto: Luiza Costa

Começaram a ser instalados os novos equipamentos de rede de internet sem fio da Unifor. O primeiro prédio a ser beneficiado é o bloco K. A expectativa é que no próximo semestre todos os blocos já possuam os novos equipamentos, e a conexão aumentará em 6 vezes a velocidade e capacidade em toda a extensão do campus .

Segundo Alexandre Bastos e Jeovani Lima, administradores de Sistemas do Núcleo de Aplicação em Tecnologia da Informação, que hoje (29) começam a instalar os novos aparelhos, o maior desafio da internet sem fio na Unifor, é a grande densidade de alunos que acessam ao mesmo tempo a rede. O Bloco K é um dos que tem mais demanda, por isso o teste dos novos equipamentos foi realizado lá. No primeiro teste, observou-se que 500 pessoas se conectaram ao mesmo tempo.

O projeto de Wi-Fi foi iniciado em 2005, nessa época não haviam muitos aparelhos que fossem compatíveis. Então era possível alugar na biblioteca um modem que era ligado aos notebooks, e acessar por lá mesmo. Um acesso rudimentar. Aos poucos, outros pontos de acesso foram incorporados até o serviço que se tem hoje.

No entanto, com a facilidade de se adquirir smartphones, netbooks, notebooks e tabletes o número de usuários aumentou de tal forma que e o suporte não está sendo mais suficiente para todos. Contudo, com os novos equipamentos importados que possuem alta densidade, os alunos terão internet de melhor qualidade e rapidez.

O equipamento de marca Cisco trouxe um alívio para os organizadores do Intercom 2012, que esperam a visita ao campus de mais quatro mil pessoas de todo o país a mais na próxima semana.

Texto e fotos: Luiza da Silva Costa
Orientação: Profa. Adriana Santiago 

Chegou a hora de defender os trabalhos

O TCC é a finalização de um ciclo/ Foto: Marina Duarte

O fim do semestre já faz parte do imaginário dos universitários por ser um período de muitos trabalhos e provas, entre outras atividades. Mas, para um grupo de alunos, esse período se torna ainda mais intenso, os concludentes. Para quem está se formando chegou a hora de apresentar o seu trabalho de conclusão de curso, o TCC. Esses trabalhos são feitos durante o último semestre do curso e apresentados a uma banca, onde, em algumas universidades como a Unifor, cabe ao aluno defender o que fez. Normalmente, esses trabalhos são feitos como monografia, mas, em alguns cursos, também podem ser produtos.

Esse é o caso da dupla Fabiane de Paula, que está se graduando em Publicidade e Propaganda e Waleska Santiago, que está se formando em Jornalismo. Elas estão fazendo um documentário sobre os pescadores do bairro Pirambu. O filme mostra seu cotidiano e trabalho. Fabiane se diz nervosa para a defesa do vídeo. “Estou bastante ansiosa para a apresentação, mas acho que todos vão gostar, pois o vídeo tá bem sensível e bonito, e as histórias emocionantes”.

Layza Patrícia, que está terminando o curso de Jornalismo, está fazendo a sua monografia sobre jornalismo cívico no “Meu Bairro Na TV”, onde discorre sobre o quadro do jornal CETV, da TV Verdes Mares. Ela diz que, muito tempo antes de começar a fazer, já pensava nesse tema. Passou a ler sobre o assunto aos poucos e fez o trabalho em três meses. Sobre a defesa, ela se mostra ansiosa, mas confiante. “Eu fico me perguntando se eu fiz o suficiente, se podia ter sido melhor. Mas, estou com boas expectativas e louca para defendê-lo”.

Pedro Humberto está concluindo o curso de Administração na Universidade Estadual do Ceará (UECE). Seu trabalho é sobre Valuation, termo em inglês para avaliação de empresas, área de finanças que estuda esse processo de avaliação. Ele não precisa defender o seu trabalho, mas mesmo assim está ansioso e não vê a hora de entregar a monografia.

Segundo a professora Solange Teles, do Programa Tutorial Acadêmico(PTA), o trabalho é importante por ser a finalização de um ciclo. Nele, o aluno tem a oportunidade de refletir sobre o que estudou durante a graduação. “Essa reflexão é a principal diferença entre um curso técnico e uma universidade”, explica.

Texto: Hyana Rocha

Orientação: Prof. Alejandro Sepulveda

Com as férias próximas, Unifor fica vazia

Com as férias se aproximando, Unifor fica vazia / Foto: Marina Duarte

As férias vão se aproximando e, com isso, vai ficando cada vez mais fácil de perceber o quanto o campus da Universidade de Fortaleza (Unifor) começa a ficar vazio. Os alunos que passam por média possuem o privilégio de ter férias mais cedo, fazendo avaliação final (AF) apenas os que ficam devendo nota. E, como normalmente poucos ficam pendentes, é observada uma diminuição bastante significativa do número de alunos em salas, praça de alimentação e no campus como um todo. Os bancos, que de início eram sempre ocupados, passam a ficar livres e isso em grande quantidade, as filas para comprar um lanche, que normalmente eram vistas dando voltas ao redor do Centro de Convivência (CC), agora diminuem para poucas pessoas ou até nenhuma, até mesmo as gráficas, que sempre tinham várias pessoas aguardando a sua vez, hoje estão ficando mais vazias e a rapidez em atender um ou outro aluno é cada vez mais frequente nesse período.

Todo esse vazio é visto tanto pelo lado positivo como negativo. Bom para alguns devido a essa facilidade em comprar um lanche ou pela rapidez em imprimir um trabalho na gráfica, e ruim para outros porque passa uma imagem diferente do verdadeiro cotidiano do começo do semestre, pois atualmente, a Unifor conta com cerca de 25 mil alunos, e durante todo o semestre é comum ver um aglomerado de pessoas espalhadas por todos os espaços do campus, o que muda completamente nessa fase que antecipa as férias.
“Acho normal, é bom porque tudo fica mais vazio, mas a Unifor também promove oficinas”, explica a estudante de publicidade, Jéssica Silva, relatando que, apesar da falta dos alunos, existem atividades no campus que estimulam um maior movimento de estudantes, independente do número que venha a participar. A estudante de jornalismo, Roberta
Tavares, enfatiza um ponto negativo. “Como perigo existe em todo lugar, eu procuro andar sempre acompanhada nesse período de férias”.
Apesar de toda essa mudança visual que a Unifor passa a ter, os estágios da área de comunicação, como Nic (Núcleo Integrado de Comunicação), Labjor (Laboratório de Jornalismo), TV, rádio, dentre outros, continuam firmes e fortes, pois mesmo com as férias dos estudantes, tudo deve funcionar normalmente para que sempre sejam gerados conteúdos atualizados para esses veículos. Devido à mudança do cotidiano, os estagiários começam a ter uma maior possibilidade de aperfeiçoar cada vez mais todos esses caminhos que abrem portas um maior aprendizado, tanto na carreira profissional como para ser levado por toda a vida. Isso demonstra que independente do período, com ou sem aula, campus vazio ou não, os alunos continuam sempre aprendendo ao longo da fase acadêmica.

Texto: Otelino Filho

Orientação: Profa. Adriana Santiago

Unifor Experience promove júri simulado

Estudante de Direito durante júri simulado/ Foto: Alexandre Abreu

Os 108 alunos de ensino médio da escola Dáulia Bringel participaram na terça-feira, 18, do Unifor Experience, uma das atividades do Mundo Unifor, e tiveram a oportunidade de ver a simulação de um tribunal. Na visita, os estudantes conheceram as exposições Unifor Plástica e Casa de Plástico. Em seguida, foram levados ao Teatro Celina Queiroz, onde aconteceu a principal atividade do dia: o júri simulado.

Continue lendo “Unifor Experience promove júri simulado”