Celina Queiroz abre as cortinas para ‘Lesados’

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Nos dias 15, 16, 22 e 23 de março,  o Teatro Celina Queiroz recebe o Grupo Bagaceira de Teatro, que vai trazer o espetáculo Lesados, peça premiada nacionalmente.

Carregada de um humor ácido e diálogos existenciais, a peça é apresentada pelo quarteto: Démick Lopes, Rogério Mesquita, Ricardo Tabosa e Tatiana Amorim, e comemora 10 anos em 2014.  O enredo conta com personagens que possuem características entediantes e inertes, fazendo com que se tornem prejudicados física e moralmente. No contexto desse cenário, os atores tentam, então, sair do lugar, mas não sabem como chegar até o fim por não conseguirem, não quererem, ou não saberem nem por onde começar.

“É muito gratificante e emocionante estar comemorando dez anos, teatro se faz amadurecendo. Os atores continuam os mesmos, porém dez anos mais velhos e isso é muito emocionante. E termo ‘Lesados’ é usado na peça das duas formas, Lesado de lento e lesado por deixar-se enganar, algo tipicamente cearense”, explica o produtor e ator Rogério Mesquita.

Serviço

Lesados

Data: 15, 16, 22 e 23 de março de 2014

Sessões: sábado, às 20h, e domingo, às 19h

Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia)

Mais informações: 3477 3033 ou 3477 3175

Pontos de Venda: Bilheteria do Teatro Celina Queiroz e Loja do Campus

Recomendado para maiores de 14 anos

Texto: Lorrana Feitosa e Mike Lucas

A importância da experiência prática antes do primeiro emprego

1609996_596449157091714_1845169647_n

Troca de Ideia, evento que tem como finalidade promover o Núcleo Integrado de Comunicação (NIC), acontecerá amanhã, às 8 horas, no Teatro Celina Queiroz, e vai destacar a importância de adquirir experiência antes de ingressar no mercado de trabalho.

“O Objetivo do Troca de Ideia é apresentar, para os alunos interessados em entrar no Núcleo Integrado de Comunicação, ex-alunos que atualmente estão no mercado profissional para falar sobre suas experiências quando participavam do NIC”, afirma o bolsista-sênior da Central de Eventos, Noandro Menezes.

O evento terá, além da apresentação do NIC, um debate com a presença dos ex-alunos Mardônio Andrade, Carlos Eduardo Novaes, Alan Diniz e Felipe Góes para falarem de suas experiências como estagiários. Será encenada, ainda, uma peça sobre o núcleo.

Ao final, os coordenadores e bolsistas-sêniores apresentarão as respectivas células: Grupo Interativo de Mídias Digitais (G1000), Photo NIC, Rádio Unifor, Central de Eventos, Laboratório de Jornalismo da Unifor (LABJOR), Agência NIC, Diagramação e Assessoria de Comunicação.

Serviço

Trocando Ideias

 Data: 18 de Fevereiro

Hora: 8 horas

Local: Teatro Celina Queiroz

Texto: Edinardo Coelho

Prorrogado o prazo para as inscrições do Prêmio de Literatura Unifor

Previsto para março de 2014, o Prêmio de Literatura Unifor teve seu prazo de inscrições prorrogado. As inscrições poderão ser realizadas até 31 de janeiro de 2014. Nesta edição, o prêmio contempla o gênero conto.

Os autores (do Ceará ou de qualquer estado brasileiro) devem inscrever contos avulsos ou um livro de contos, que serão avaliados por uma comissão julgadora composta por três professores de Literatura e Língua Portuguesa. Um professor da Unifor, um professor da UFC e um membro da Academia Cearense de Letras, cujos nomes não serão revelados. Para manter a impessoalidade do concurso, os autores devem utilizar pseudônimo.

O concurso é dividido em duas categorias: obra inédita e trabalho inédito. O primeiro diz respeito à edição de um livro de contos e o segundo às obras avulsas, que serão reunidas em uma coletânea com 20 contos (do primeiro ao vigésimo lugar do concurso). Em ambas as categorias, os textos devem ser inéditos, levando à eliminação o candidato que não obedecer a essa exigência.

Na última edição, foram contabilizados quase 400 textos, que foram avaliados durante um mês pela comissão. O processo se repetirá esse ano e os vencedores desta atual edição serão divulgados em uma cerimônia que acontece no Teatro Celina Queiroz, no dia 21 de março de 2014, data em que a Unifor completa 41 anos.

Além da publicação dos textos, o primeiro lugar da categoria obra inédita ganha uma viagem para conhecer a Biblioteca Nacional de Washington (EUA) e o da categoria trabalho inédito, uma viagem para conhecer a biblioteca do Rio de Janeiro.

Mais informações sobre o concurso e a premiação podem ser encontradas no edital.

Texto: Andrezza Albuquerque

[Fotolegenda] Teatro Celina Queiroz recebe mostra de trabalhos infantis

Foto: Thiago Gadelha
Foto: Thiago Gadelha

Aconteceu nos dias 2 e 3 deste mês a 14ª edição da mostra Criança e Arte (Criarte). O evento é realizado anualmente pela Escola de Aplicação Yolanda Queiroz, com o objetivo de desenvolver e valorizar a dimensão criativa das crianças.A programação desta edição apresentou como tema Meu Brasil Brasileiro, Ritmos do Brasil, tendo contado com apresentação de teatro e do coral, bem como uma mostra de telas confeccionadas pelas próprias crianças.

Texto: Lia Martins

Montagem do musical “A Noviça Rebelde” é protagonizada por alunos cearenses na Unifor

Foto: Pedro Vinícius
Foto: Pedro Vinícius

O Teatro Celina Queiroz recebeu nesta última quinta feira, 7 de Novembro, a première do musical A Noviça Rebelde encenada por alunos do Colégio Santa Cecília. Esta apresentação fez parte da I Semana de Artes do colégio, que teve o objetivo de trabalhar a arte como ferramenta de educação, integrando, durante esse período, a música, a dança e o teatro.

Com a tradição de trabalhar a arte em prol do conhecimento, o Colégio disciplina seus alunos, educando desde a sensibilidade estética, ao trabalho em grupo. Para o coordenador do Núcleo de Artes, Max Roger, “o colégio tem a preocupação em formar os alunos, fazendo com que ocorra a satisfação e crescimento individual e familiar”.

Inspirada nas versões da Broadway, do cinema e da brasileira, dirigida por Cláudio Botelho em 2008, de A Noviça Rebelde, a professora de teatro e diretora dessa montagem, Andréa Piol, buscou desenvolver nos alunos seus talentos teatrais, musicais e de dança. “Unimos o útil ao agradável. O grupo de teatro já conhecia esse espetáculo clássico, as músicas para o coral tiveram bom caimento e com a escola, que dialoga junto com esse universo de freiras”, afirmou.

Foto: Pedro Vinícius
Foto: Pedro Vinícius

O musical é cantado ao vivo e, segundo o professor de música, Fábio Mudo, houve o desenvolvimento e preparação vocal dos atores, para dar o equilíbrio entre a música, o teatro e a dança. Músicas como “Do-Ré-Mi” e “Coisas Que Eu Amo”, dão à apresentação emoção e sensibilidade, envolvendo o público à história de uma noviça com talentos musicais que, com alegria e amor, une novamente uma família composta por sete filhos, órfãos de mãe, e disciplinados à educação rigorosa e militar do pai.

Beatriz Porto. Foto: Pedro Vinícius
Beatriz Porto. Foto: Pedro Vinícius

O clássico é baseado na história verdadeira da família de coristas Von Trapp, que, durante a ocupação da Áustria pelo regime nazista, fugiu pelos Alpes para a Itália, e em seguida, para os Estados Unidos. Todo o contexto histórico foi mantido pela produção realizada, em que os atores mantiveram algumas expressões austríacas e alemãs. O Teatro para Beatriz Porto, protagonista do musical, faz com que os atores, assim como ela, tornem-se mais sensíveis. “Nos deixa mais humanos. Nós sentimos várias emoções, contracenamos com diversas pessoas”.

Emilia Schram e Gabriel Pinheiro. Foto: Pedro Vinícius
Emilia Schram e Gabriel Pinheiro. Foto: Pedro Vinícius

Já para Gabriel Pinheiro, que interpreta o tio da família Von Trapp, “a arte, como o esporte ou outra atividade, serve para nos completar. Ninguém vive só de estudo, ninguém vive só de profissão; todos têm que buscar alcançar seu maior potencial, então tento explorar este meu potencial nas coisas que eu faço”, sintetizou.

Marília Florêncio e Nilo Teixeira. Foto: Pedro Vinícius
Marília Florêncio e Nilo Teixeira. Foto: Pedro Vinícius

“O núcleo de artes serve para me dar mais autonomia nas minhas escolhas e em minha vida, tanto no colégio quanto na vida pessoal. Quando nós entramos em cena, tanto nos ensaios quanto nas peças, a gente têm que ter essa autonomia pra realizar o nosso personagem, e saber conduzir a peça, para que, mesmo com contratempos, consigamos driblá-los, tendo independência”, afirma Marília Carolina, que atua como a filha mais velha, Liesl Von Trapp.

O espetáculo tem suas últimas apresentações realizadas hoje, 08 de Novembro, em duas sessões: 18h30min e 20h.

Serviço

A Noviça Rebelde, com o Grupo Teatral do Colégio Santa Cecília

Local: Teatro Celina Queiroz
Horário: 18h30min / 20h
Data: 08 de Novembro
Preço: R$40 (R$20 meia entrada)

Texto: Fernanda Façanha
Colaboração: Gustavo Nery