Jornalismo, marketing esportivo e empreendedorismo são temas do 11º Focom

Foto: Thiago Gadelha
Foto: Thiago Gadelha

Com o objetivo de promover o engajamento dos alunos da Comunicação Social na Copa Mundial da FIFA, que terá a cidade de Fortaleza como uma de suas sedes, a Universidade de Fortaleza (Unifor) recebeu o debate Jornalismo, Marketing Esportivo e Empreendedorismo: Copa da Fifa. O evento fez parte do Fórum Integrado de Comunicação (Focom), que ocorreu nesta quarta-feira, 5, no Teatro Celina Queiroz.

O debate contou com a presença dos coordenadores do curso de Jornalismo e de Publicidade e Propaganda, Wagner Borges e Bittencourt Paiva respectivamente; o coordenador de Empreenderoismo do Governo do Estado, Luis Soares; o chefe de esportes da TV Verdes Mares e comentarista do Sportv, Paulo César Norões, e do aluno da Unifor e estagiário da TV Jangadeiro, Juliano de Medeiros.

Luís Soares. Foto: Thiago Gadelha
Luís Soares. Foto: Thiago Gadelha

Luís Soares, especialista na área de empreendedorismo, sugeriu dicas para jovens estudantes montarem o próprio negócio, lembrando aos alunos que “informação é o principal produto que o jornalista tem”. Destacou ainda a necessidade de possuir uma ideia concreta do que se pretende montar, “não precisa ser, necessariamente, algo inovador”, mas pensar nas possibilidades de torná-la realizável. Salientou a noção que o empreendedor deve possuir quanto ao funcionamento do negócio, devendo elaborar um planejamento.

Paulo César. Foto: Thiago Gadelha
Paulo César. Foto: Thiago Gadelha

A conversa prosseguiu abordando a atuação dos jornalistas na cobertura da Copa. Para PC Norões, um fator positivo neste aspecto foi a experiência recente da Copa das Confederações, “que acaba servindo como um ensaio para quem pretende atuar dentro da Copa do Mundo da Fifa”. Experiente em coberturas esportivas, já tendo trabalhado em três edições – Alemanha, França e África -, Norões alerta sobre as oportunidade de crescimento das cidades-sedes, assim como o desenvolvimento de setores e trabalhos. “A Copa impacta a vida da cidade, é preciso um bom planejamento para cobrir o evento. Na Copa do Mundo o futebol é apenas um detalhe”, disse.

Em seguida, Juliano de Medeiros ressaltou que, pela rotina que o repórter adquire em coberturas grandes, muitas vezes o jornalista não tem tempo para assistir aos jogos porque existem outras preocupações na cobertura das matérias, como entrevistar jogadores e o público em geral. “A história nem sempre está com as pessoas mais importantes”, concluiu.

Ao final do evento, o debate foi aberto ao público, com destaque à pergunta da aluna de Publicidade e Propaganda da Unifor, Juliana Ordéas, aplaudida ao indagar sobre os problemas que a Copa Mundial traz à cidade, uma vez que haverá a modificação no cronograma das escolas e universidades e no aumento da quantidade de feriados. Paulo César argumentou a falta de planejamento. “O problema é que o Brasil se comprometeu e não cumpriu, desde 2007 já sabiam que a Copa ocorreria aqui”, afirmou, defendendo que seria possível evitar estas dificuldades com planejamento e o desenvolvimento de uma boa infraestrutura.

Foto: Thiago Gadelha
Foto: Thiago Gadelha

Texto: Giovânia Alencar 

O despertar de um gigante: ou ficar a pátria livre, ou morrer pelo Brasil

Manifestação no Rio de Janeiro. Foto: Daniel Merenco/Folha Press
Manifestação no Rio de Janeiro. Foto: Daniel Merenco/Folha Press

As ruas do Brasil ganharam mais vida nos últimos dias, em decorrência dos protestos realizados contra medidas governamentais, em prol de implementações e em oposição à realização da Copa do Mundo de 2014 no país.

Os protestos começaram em Porto Alegre, em fevereiro deste ano, atingindo outras cidades brasileiras. Em São Paulo, manifestações pacíficas contra a alta na tarifa de ônibus, anunciada pelo novo prefeito Fernando Haddad, geraram reações violentas por parte da Polícia Militar, que se utilizou de balas de borracha e gás lacrimogêneo para conter os manifestantes, ferindo inclusive pessoas que não estavam envolvidas no protesto. O Movimento Passe Livre reivindica por transporte público gratuito e de qualidade.

A repórter Giuliana Vallone, da Folha de S.Paulo, foi atingid ano olho por bala de borracha disparada pela PM - Foto: Diego Zanchetta/Estadão
A repórter Giuliana Vallone, da Folha de S.Paulo, foi atingida no olho por bala de borracha disparada pela PM – Foto: Diego Zanchetta/Estadão

No dia 6 de junho, primeiro dia de protestos, 30 pessoas ficaram feridas pela ação da polícia pela não obstrução da avenida Paulista. Sete jornalistas da Folha de São Paulo foram atingidos por spray de pimenta e feridos por balas de borracha, enquanto cobriam as manifestações. Um repórter da Carta Capital foi detido por posse de vinagre.

No Rio de Janeiro, milhares de manifestantes tomaram o centro da cidade, tendo mais de 68 mil pessoas confirmado presença na manifestação pelas redes sociais. O movimento iniciou-se, como em São Paulo e outras capitais brasileiras, motivado pelo aumento das passagens de ônibus, ampliando-se para reivindicar melhorias na educação, na saúde e contra os gastos voltados para a realização da Copa.

Um grupo organizou-se em protesto nos arredores do estádio Maracanã ontem, 16, com gritos de guerra como “se a passagem não baixar, a roleta eu vou pular” e “Eduardo Paes, cadê você, cadê você?”

Brigadeiro Faria de Lima, São Paulo. Foto: Juca Varella/ Folha Press
Brigadeiro Faria de Lima, São Paulo. Foto: Juca Varella/ Folha Press

Foram convocadas a participar dos manifestos pelo menos 177 cidades brasileiras. No exterior, brasileiros se mobilizam em pelo menos 44 cidades, tendo ao menos cinco dessas cidades já registrado manifestações: Berlim (Alemanha), Dublin (Irlanda), Montreal (Canadá), Boston (Estados Unidos) e San Diego (EUA).

Por meio de passeatas, dos cartazes, dos coros e das mensagens, vídeos e imagens compartilhados nas redes sociais, o movimento vai gradativamente ganhando mais corpo, convertendo-se em grito robusto. É o gigante que desperta, é o filho que não foge à luta.

A revolução iluminou a Terra da Luz

Manifestação Fortaleza Apavorada. Foto: Hayanne Narlla.
Manifestação Fortaleza Apavorada. Foto: Hayanne Narlla.

Em Fortaleza, as manifestações foram iniciadas na última quinta-feira, 13, com a caminhada proposta pelo movimento Fortaleza Apavoradagrupo apartidário que ganhou força nas redes sociais reunindo fortalezenses insatisfeitos com os elevados níveis de violência da cidade e dispostos a lutar por mais segurança.

A caminhada, que teve como ponto de concentração o Palácio da Abolição, sede do governo do estado do Ceará, e prosseguiu até a Av. Beira Mar, reuniu mais de 2 mil pessoas, direta ou indiretamente atingidas pela violência da capital. O evento parece ter servido também como ponto de partida para diversos outros atos: há sete manifestações político-ideológicas agendadas para esta semana em Fortaleza.

Manifestação em Fortaleza. Foto: Sara Maia
Manifestação em Fortaleza. Foto: Sara Maia

Nesta segunda-feira, 17, aconteceu na Gentilândia, às 16h, o Ato Anticapitalista de Repúdio à Repressão Policial do Estado – um protesto contra a violência da polícia e sua atuação antidemocrática na repressão de manifestantes. Neste mesmo dia, aconteceu também, no Bosque das Letras, no Centro de Humanidades da UFC (CH1), às 18h, a plenária geral de preparação para o Ato Nacional em Defesa do Transporte Público, que clamará, entre outras reivindicações afins, pela gratuidade e confecção imediata das carteirinhas de estudante de 2013. O ato em si está programado para ocorrer nesta quinta-feira (20), no IFCE.

Na quarta-feira (19), ocorre na Arena Castelão a manifestação + Pão – Circo / Copa pra Quem?! , ato pacífico, também apartidário, em repúdio à Copa do Mundo, com concentração marcada para 10h no pátio do supermercado Makro (na Av. Alberto Craveiro) e saída para o Castelão programada para o meio-dia. O cerne do protesto recai sobre os gastos excessivos do governo com a Copa do Mundo, em contraposição à visível carência do país em setores básicos como educação, saúde e transporte público.

Avenida Domingos Olímpio, Fortaleza. Foto: Divulgação
Avenida Domingos Olímpio, Fortaleza. Foto: Divulgação

Para o mesmo dia, está planejado o ato Brasil x México – Todos de Preto, voltado para aqueles que já compraram ingresso para o jogo. A ideia da manifestação é incentivar os torcedores que vão ao estádio a usar preto, pintar as mãos de vermelho e, se possível, levar cartazes, de modo a causar impacto nas redes de televisão durante a transmissão do jogo.

Na sexta-feira, 21, acontece no Teatro do Centro Dragão do Mar, às 16h, o ato Operação Educação 10, visando a uma conscientização quanto à necessidade de investimentos significativos no ensino público de modo a tornar a educação uma prioridade nacional. No sábado, 22, por fim, ocorre a I Caminhada Ceará Pede Paz, com saída programada para as 16h, da Av. Beira Mar.

Texto: Janine Nogueira e Lia Martins

Confira a galeria das manifestações nas principais cidades brasileiras

Este slideshow necessita de JavaScript.

[Lar Maior] Bate-Bola discute oportunidades na Copa 2014

Foto: Luís Barbosa
Foto: Luís Barbosa

Dentro da programação do evento Lar Maior, na noite de ontem aconteceu um “bate-bola” com o Secretário Especial da Copa do Mundo, Ferrúcio Feitosa, e a presidente da Câmara Setorial de Eventos do Ceará, Circe Jane Teles, sobre tema Copa 2014Ambos os convidados reafirmaram as inúmeras vantagens que um evento de tal porte pode trazer ao Brasil e ao Ceará. O Secretário destacou o esforço feito para trazer o evento para o País e, também, para o nosso estado. “Nós fomos fazer a defesa do Brasil, assim como estávamos apresentando a cidade de Fortaleza para a Fifa. Naquele instante, nós assumimos compromissos com a entidade maior que coordena esse dois grande eventos, que é a Copa da Confederações e a Copa do Mundo de Futebol”.

563662_181636861986632_631460725_n Circe Jane, por sua vez, destacou a importância de profissionais das mais diversas áreas aproveitarem as oportunidades que virão com o evento. “Nós temos que aproveitar essas oportunidades como se fossem as últimas, pois não sabemos quando outra Copa acontecerá no nosso país, talvez daqui a cinqüenta ou sessenta anos. Então fiquemos atentos às oportunidades que virão”.

Ferrúcio Feitosa. Foto: Luís Barbosa
Ferrúcio Feitosa. Foto: Luís Barbosa

As vantagens que podem trazer no âmbito social, com obras públicas e de acessibilidade, e no âmbito profissional, foram destacadas pelos palestrantes. O Secretário falou do legado deixado pela Copa, com obras públicas de transporte e acessibilidade, destacando as vantagens dessas obras para trabalhadores e estudantes da capital. “O que o Governo tem tentando é encurtar distancias para que o fortalezense possa passar mais tempo com a família, pois nós sabemos que, hoje, o fortalezense passa um terço do seu dia só se deslocando na cidade”.

Ferrúcio afirmou que o Governo do Estado também tem ações em andamento na área de saúde, saneamento básico, segurança, turismo e tecnologia da comunicação, somando um pouco mais de $9 bilhões reais investidos em obras finalizadas e próximas de serem finalizadas.

“Nós sabemos, o mais importante é deixar um legado para a população do estado do Ceará”.

Circe reconheceu a necessidade de preparar a mão de obra que vai ser empregada durante a Copa. “Nós temos que observar em cada profissional desses uma mão de obra que precisa ser capacitada”. A Presidente da Câmara Setorial de Eventos do Ceará, também destacou a importância de observar como os investimentos dos setores públicos ou privados estão sendo aplicados.

Foto: Luís Barbosa
Foto: Luís Barbosa

O Secretário apontou detalhadamente para o público as obras que estão sendo feitas em parcerias pelo Governo Federal, Governo do Estado e Prefeitura. “São obras importantes para Fortaleza, que, se não fosse a Copa do Mundo, demorariam mais de uma década para serem feitas em Fortaleza”. Ferrúcio mencionou a obra do Veículo Leve Sobre Trilhos, a obra que permitirá melhorar a via expressa de Fortaleza, além da obra Arena Castelão.

A tônica do evento foi o otimismo, pois apontou para os alunos que assistiam à palestra os novos caminhos e oportunidades que os esperam em 2014. A palestra terminou com um breve momento de perguntas e respostas, onde os alunos puderam debater com os convidados temas que tratam do “inchaço” no mercado de trabalho.

 

Texto: Juliana Teófilo

Oportunidades de emprego surgem com a Copa

copa1

A Copa do Mundo 2014 deve gerar cerca de 930 oportunidades de negócios e mais de 700 mil vagas de emprego nas 12 cidades-sede em todas a regiões do Brasil, segundo o Sebrae. Em Fortaleza, as oportunidades são muitas e vão desde a construção civil até o agronegócio.

As oportunidades serão geradas pela necessidade de mão de obra especializada antes, durante e depois do evento. Existem vários cursos para quem deseja se especializar e trabalhar na Copa. Além dos estágios e programas de trainees que vem surgindo cada vez mais com o foco no evento.

Foto: divulgação
Foto: divulgação

Uma das oportunidades de emprego que tem mais procura é na área de construção civil, pois Fortaleza está em fase de estruturação, construindo estradas, aeroportos, estádios e áreas que serão utilizadas nos jogos. Outro ramo que está em busca de novos profissionais é o turismo e a gastronomia, os serviços mais procurados pelos turistas que vem à cidade.

O setor de moda e serviços é outro que também está crescendo nesse período, pois está apostando no que os visitantes irão fazer quando estiverem com tempo livre, além da cidade também ser um pólo de moda. A comunicação é um setor que exige uma mão de obra mais especializada, necessitando de um grande contingente de profissionais para cobrir todos os acontecimentos do momento.

As oportunidades de estágios e trainees também estão crescendo em todas as áreas devido à grande necessidade de mão de obra. Para estar apto a preencher as vagas existem vários cursos que estão sendo ofertados pelo  Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC) e em várias outras instituições, principalmente cursos de línguas estrangeiras.

Obras para a Copa do Mundo 2014 na cidade de Fortaleza:

Texto: Lia Sequeira

Ciberdebates: Copa do Mundo é a discussão da vez

Ferruccio Feitosa, Jocélio Leal e Ívila Bessa / Fotos: João Romero e Roberto Barros

Com o tema “Copa do Mundo de 2014 – Desafios de uma Cobertura Online”, cerca de 200 alunos dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da Unifor lotaram, hoje (25), o auditório da biblioteca da Universidade para assistir ao Ciberdebates, evento organizado por alunos da disciplina de Oficina em Jornalismo do curso de Comunicação Social, ministrada pelas professoras Adriana Santiago e Joana Dutra. Continue lendo “Ciberdebates: Copa do Mundo é a discussão da vez”