Fortaleza tem opções alternativas para cursos de idiomas

Foto: divulgação
Foto: divulgação

Uma notícia chamou a atenção dos estudantes de Fortaleza essa semana: a redução significativa no número de vagas para os cursos de idiomas das Casas de Cultura da Universidade Federal do Ceará. No segundo semestre de 2008, foram 1.299 vagas, o maior número já disponibilizado, enquanto apenas 286 estão sendo cotadas para o primeiro semestre de 2013. Porém, para quem ficou preocupado e quer fazer um curso sem gastar muito, existem outras alternativas.

wagner mendes
Wagner Mendes. Foto: Arquivo pessoal

Uma opção é o Núcleo de Línguas Estrangeiras da  Universidade Estadual do Ceará (Uece), que foi criado inicialmente como uma extensão do curso de Letras. O aluno Wagner Mendes está no segundo semestre do curso de francês e faz uma avaliação positiva.  “Fui tentar francês no Núcleo de Línguas da Uece porque estudo lá na graduação e conheço alguns professores e alunos que integram o núcleo, e sei da procedência. O curso não deve nada aos grandes e mais caros da cidade. Pago R$ 36,00 mensais e o nível de material didático e de ensino é o mesmo de outro que fazia, que pagava quatro vezes mais.”

Tircianny Araújo. Foto: arquivo pessoal
Tircianny Araújo. Foto: Arquivo pessoal

Os cursos de idiomas oferecidos pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) são bastante procurados pelos estudantes. Eles são mais em conta que a maioria dos cursos de idiomas ofertados por escolas particulares de Fortaleza. Tircianny Araújo faz Inglês e considerou o preço da mensalidade na hora de escolher. “Fiz pesquisa de preço e horário, e conclui que o Senac é o mais em conta. O melhor de tudo é a flexibilidade de horários, lá tem curso todos os dias da semana (manhã, tarde e noite), e aos sábados. Deixei de me matricular em outro curso porque não tinha o meu nível no horário que eu queria. Já no Senac, eu encontrei o dia e o horário que me adequasse, pagando menos.”

 No  Instituto Municipal de Pesquisas, Administração e Recursos Humanos (Imparh) funciona o Centro de Línguas, o CLI. Ele é destinado para as demandas de órgãos municipais, estaduais ou federais, além da iniciativa privada e não-governamental por meio de contratos, convênios ou parcerias. Para se matricular é necessário estar cursando pelo menos a última série do Ensino Fundamental e ter no mínimo 14 anos de idade. Para alguns, o problema é a localização.

Tiago Magalhães. Foto: Arquivo pessoal
Tiago Magalhães. Foto: Arquivo pessoal

Aqueles que não moram nos arredores do Bairro Damas acabam desistindo pela dificuldade de locomoção. Tiago Magalhães cursava francês e já havia migrado de um outro curso bem mais caro. “Escolhi por conta do valor, mas não gostei. Eu deixei, era muito longe. Acho que estranhei e não me adaptei ao novo curso”.

 Para evitar os problemas de locomoção existe a opção dos cursos onlines. Um deles é o Inglês Sem Fronteiras, uma iniciativa do  Ministérios da Educação. Ele é destinado a estudantes de graduação e pós-graduação matriculados em escolas públicas ou de instituições privadas que tenham atingido no mínimo 600 pontos em todas as edições do ENEM. O objetivo do programa é a preparação dos alunos para participarem do Ciência Sem Fronteiras.

O programa espera atender inicialmente a 20 mil estudantes. Várias outras opções são oferecidas na Internet. O interessado deve se informar antes sobre a qualidade do curso e o histórico da escola, além de procurar indicações de pessoas que já tenham feito o curso. Isso vale também para qualquer tipo de curso, seja ele de idiomas ou não, presencial ou online.

tabela

Serviço

Casas de Cultura – UFC
Área I do Centro de Humanidades, na Av. da Universidade, 2783

Núcleo de Línguas Estrangeiras – Uece

Av. Luciano Carneiro 345, Bairro de Fátima

Centro de Línguas – CLI, do IMPAHR

Av. João Pessoa 5609, Bairro Damas 

Senac
Av. Rui Barbosa, 1630 – Aldeota

Inglês sem Fronteiras

Site oficial

Texto: Thaís Praciano