“Não existe professor de ‘coisa’, mas sim professor de ‘aluno'”

Foto: Eduardo Cunha
Foto: Eduardo Cunha

No último sábado, 22, a Universidade de Fortaleza (Unifor) recebeu, no IV Encontro Pedagógico promovido pela Vice-Reitoria de Graduação, a psicóloga psicanalista e especialista em elaboração e implementação de políticas públicas, Viviane Mosé. O evento, realizado no Ginásio Poliesportivo da Unifor, reuniu o corpo docente da Universidade para pensar sobre a educação e o papel do educador.

Durante a palestra, Mosé, utilizando-se de referências como os autores Michel Foucault e Friedrich Nietzsche, percorreu das pirâmides do Egito, passando pela pirâmide conceitual grega e pelo desenvolvimento das corporações para explicar a maneira de educar que perpetuou-se durante séculos. Historicamente, segundo ela, o professor, ou “detentor do ouro”, posicionou-se a frente, recusando-se a partilhar de todo o seu conhecimento com o aluno. “O melhor professor era aquele que falava difícil, era uma coisa linda. Essa hierarquia do sábio hoje não nos interessa”.

A função do conteúdo e a importância da internet na redefinição dos rumos do aprendizado também foi enfatizada pela filósofa. “Foi apenas com a internet que o modelo piramidal se desfez. A internet, de fato, compartilhou conteúdo. Especialmente com a rede social”.

Foto: Eduardo Cunha
Foto: Eduardo Cunha

Mosé cativou o público, compartilhando sua experiência como educadora. A necessidade de exercitar a interpretação nos bancos escolares, acrescentando os acontecimentos do dia-a-dia às discussões em sala de aula, foram alguns exemplos. A psicóloga também enfatizou a importância da valorização do conhecimento como um todo. E pediu à plateia: “Tenham vários ouvidos. Não existe professor de ‘coisa’, mas sim professor de ‘aluno'”.

A palestrante pontuou, admitindo como um defeito seu, a maior atenção e valor que muitos professores atribuem aos alunos mais interessados e disciplinados. Admiradora de Nietzsche, Mosé associou aquele que ostenta saber muito, ou erudito, a uma frase do filósofo: “Eu não gosto dos poetas, nem dos antigos nem dos novos. Pra mim, são oceanos ressecados, não são limpos para o meu gosto. Turvam as águas para parecerem mais profundas“.

Repercussão

A professora do Centro de Ciências da Gestão, Carmen Luisa Cavalcante, aplaudiu a palestrante de pé. “Achei excelente. Mosé pensa. Ensinar não é só a roupagem, não é só o datashow. Ela destruiu isso”.

Flávio Ferreira, estudante de Publicidade e Propaganda, também esteve no evento. “Achei a palestra fantástica”, comentou empolgado. “Foram assuntos muito pertinentes à sala de aula. Viviane falou sobre assuntos que outros não falam, como a necessidade de que se enquadre o conhecimento”.

Em entrevista exclusiva ao Blog do Laboratório de Jornalismo, Viviane Mosé comentou sobre o Jornalismo e o ensino da área do conhecimento nas universidades. “A crise na formação do jornalista é algo muito sério. Nossos jornalistas formados, muitos de ótima formação, nem estes estão conseguindo dar conta. Jornalismo é classicamente a formação da generalidade, o jornalista faz o meio, é a mediação, atende a todos. É fundamental que se pense em sua formação com mais Filosofia, Sociologia e História. Em um período de crise, se os jornalistas não forem pensadores, ousados, corajosos, serão reprodutores . Isso não é mais possível”. 

Texto: Janine Nogueira 

Encontro Pedagógico enfatiza uso de mídias digitais em sala de aula

Foto: Lorena Cardoso

Já começou o semestre letivo para professores do Centro de Ciências Humanas (CCH) da Unifor. Os docentes passaram o ultimo dia de julho em um encontro pedagógico promovido pela diretoria do centro, cuja temática foi “Metodologias Colaborativas – integrando e fortalecendo os sujeitos no processo de ensino e aprendizagem no contexto do imídi@”.

A programação contou com cinco oficinas dentro dessa temática: ‘O uso de telas Interativas em sala de aula’, ‘A problematização como elemento indutor no processo de ensino-aprendizagem’, ‘Pesquisa em sala de aula e a produção de artigos científicos’, ‘As TICs como mediadoras no processo de ensino e aprendizagem’ e ‘Apresentações em prezi’. A assessora pedagógica, Xênia Benfatti, explicou que esse encontro faz parte do calendário acadêmico e que é um dos momentos de formação dos docentes incentivados pela Universidade. Durante as oficinas, os professores receberam também a visita da reitora, Fátima Veras, que desejou aos participantes boas vindas ao semestre letivo.

Na oficina de ‘O Uso da Tela Digital Interativa em Sala de Aula’, ministrada pelo professor do Centro de Ciências Tecnológicas (CCT), Julio Guido Militão, os participantes aprenderam a utilizar a lousa digital como ferramenta de trabalho. Segundo Guido, “o docente está tendo uma oportunidade a mais de interação com o aluno, pois através desta nova tecnologia o professor acaba ficando mais próximo do aluno e cria uma multimidiação, em que acaba tornando a aula mais prática, construtiva e participativa”.

Texto: Lorena Cardoso e Manoel Cruz
Orientação: Profa. Adriana Santiago