Ex aluna da Unifor lança livro sobre experiência em Nova York

Foto: Divulgação

Celma Prata, formada em jornalismo pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR), acaba de lançar o livro Descascando a Grande Maça – Historias de uma família brasileira em New York. Nesse livro ela conta a história de quando morou na Big Apple, como é conhecida a maior cidade dos Estados Unidos.

A jornalista morou por seis meses em New York, no ano de 1997, e, quando retornou ao Brasil, seus amigos sempre a perguntavam como era viver em em uma das maiores cidades do mundo. De tanto as pessoas perguntarem, ela concluiu que seria interessante fazer um livro de cônicas relatando os momentos que viveu no exterior. Como ela e seus filhos tinham feito diários ficou mais fácil recordar esses momentos.

O prefácio do livro foi escrito pela jornalista e professora, Elizabete Jaguaribe. Ela comenta que a obra tem uma marca muito forte de texto jornalístico. “O livro da Celma se insere dentro de uma tendência de mercado, que são os relatos. E essa ideia de relatar o cotidiano é bem interessante. O livro tem um modelo interessante, seu texto é limpo, objetivo, preciso e agradável, ela acaba passando sua experiência de uma forma simples.”

 A grande maçã vista de dentro

Mesmo sendo um guia de sobrevivência, segundo a própria autora, o livro vai além, mostrando a cultura cosmopolita de Nova Iorque. “Não espere encontrar pontos turísticos, nem nomes de lojas que você deve parar para comprar, pois esse livro mostra como é viver em um país com uma cultura totalmente diferente e como tirar proveito disso”.

Texto: Thais Moreira e Lorena Cardoso
Orientação: Prof. Eduardo Freire

Livro resgata a memória da cantoria

Simone Oliveira de Castro, autora do livro "Memórias da Cantoria: palavra, performance e público"

“Memórias da Cantoria: palavra, performance e público” é o primeiro livro de Simone Oliveira de Castro. O lançamento aconteceu ontem em uma festa bastante disputada no Instituto Federal do Ceará (IFCE). A obra é o resultado do doutorado da historiadora e professora do Instituto. Emocionada, falou da honra e do orgulho que sentia pela ocasião e ressaltou que tardou em realizar o lançamento porque queria os entrevistados presentes.

Dentre eles estavam os cantadores de viola Geraldo Amâncio e Zilmar do Horizonte, os primeiros convidados a subirem ao palco. E foi num clima bastante descontraído que Geraldo Amâncio começou a falar: “desculpe, eu estava lá fora, nem ouvi quando fui chamado”. Em improviso eles cantaram o sabiá, estilo de rima cujo mote é “voa sabiá no galo da laranjeira/que a pedra da lavadeira vem zoando pelo ar”.

Continue lendo “Livro resgata a memória da cantoria”