Cidadania: a verdadeira utilidade das redes sociais

leisecafortalApesar de sua função inicial ser a de promover a interação online entre seus usuários, as redes sociais (como o Facebook e o Twitter) também oferecem outras possibilidades. Além da divulgação de produtos e promoções de lojas, elas também possibilitam a divulgação de causas sociais.

É o caso do perfil de Twitter “LeiSecaFortal”, criado por Carlos Lenine em 2010. Com o objetivo de reunir a comunidade para mantê-la informada sobre o trânsito da cidade, o administrador da conta dava informações aos seguidores sobre as localizações de blitz pela cidade (com o intuito de ajudar os motoristas a escapar das multas da Lei Seca), congestionamentos, obras, alagamentos etc.

Atualmente administrado pelo analista de sistema, Gigliani Maia, o perfil conta com mais de 41 mil seguidores e, segundo Gigliani, seus objetivos foram alcançados. “Temos uma comunidade bastante ativa que relata problemas e sugere soluções, dando margem à discussão”, conta.

fortalezasemmedoOutra página que busca promover a divulgação de uma causa social é a página no Facebook Fortaleza Sem Medo. A página foi criada pelos sócios Elias Hissa e Bosco Couto, que queriam começar um movimento que começasse na internet e pudesse abrir um espaço para discussão dos problemas relacionados a segurança pública de Fortaleza.

A página já tem mais dez mil curtições e, diferentemente da maioria dos movimentos de internet, já saiu do virtual: os criadores do movimentos já foram entrevistados por vários veículos e foram chamados para uma reunião na Prefeitura para apresentar as ideias discutidas no grupo para alguns secretários. “Apresentamos um plano de 40 soluções que foi discutido no grupo do Facebook. Já conseguimos chamar a atenção, o que é uma pequena conquista”, contam os criadores do grupo.

Assim, páginas e perfis em redes sociais podem, de fato, fazer a diferença na vida real (não só a virtual) das pessoas. Seja relatando problemas de trânsito ou assaltos, os internautas de Fortaleza estão se juntando para tentar achar soluções para os problemas que encontram na cidade.

Texto: Patrícia Borges