Ética do Bem: um sábado com serviços gratuitos para a comunidade

Foto: divulgação

Com o intuito de promover a prática de ações sociais, a Vice-Reitoria de Extensão e Comunidade Acadêmica e o Centro de Ciências Jurídicas (CCJ) da Universidade de Fortaleza (Unifor) convidam para a inauguração do projeto “Unifor pela Ética do Bem”, nesse sábado (14), de 08h às 13h, no Bloco Z. Coordenado por Erick de Sarriune Cysne, professor de Direito, o evento marcará o início de um projeto continuado, que visa incentivar os diferentes cursos da Universidade a participarem em conjunto de diversas práticas e ações cidadãs voltadas a comunidade do Dendê.

Nesse sábado, voluntários dos cursos de Direito, Educação Física, Audiovisual e Novas Mídias e dos cursos do Centro de Ciências da Saúde (CCS) cooperam na oferta de uma série de serviços gratuitos como emissão de carteira de identidade, CPF, registro de nascimento, carteira de trabalho, assim como atendimento jurídico, aplicação de vacinas, atendimento a mulheres vítimas de violência, conselho tutelar, entre muitos outros. Além disso, palestras como “Meu Primeiro Emprego” e sessões de cinema, também gratuitos, serão oferecidos. Confira a programação:

PROGRAMAÇÃO DO DIA 14 DE MAIO

08h às 13hMutirão de Mediação. Responsável: Programa Resgate Familiar (Projeto Cidadania Ativa). Local: Núcleo D do EPJ

08h às 13h – Atendimento Jurídico. Responsável: Alunos do EPJ. Local: Núcleos do EPJ

08h às 13h – Emissão de Carteira de Identidade; Cadastro de Pessoa Física – CPF. Responsável: Secretaria Estadual de Justiça – Caminhão do Cidadão. Local: Estacionamento Bloco Z (unidade móvel)

08h às 13h – Aplicação de vacinas necessárias ao calendário do adulto (tétano, hepatite B e tríplice viral) e testes de glicemia capilar para rastreamento de diabetes. Responsável: Equipe do ambulatório do NAMI. Local: Salas do EPJ (Recepção da sala de audiência – Hall do Bloco)

08h às 13h – Oferta de todos os serviços disponibilizados em postos de atendimento da CAGECE, como por exemplo, desligamento, parcelamento e requerimento de outros serviços. Responsável: CAGECE. Local: Salas do EPJ (Recepção na sala de audiência – Hall do Bloco)

08h às 13h – Oferta de todos os serviços disponibilizados em postos de atendimento da COELCE, como por exemplo, desligamento, parcelamento e requerimento de outros serviços. Responsável: COELCE. Local: Salas do EPJ (Recepção na sala de audiência – Hall do Bloco)

08h às 13h – Emissão de carteiras de trabalho. Responsável: Instituto de Desenvolvimento do Trabalho – IDT. Local: Z70

08h às 13h – Lavratura de Registro de Nascimento e habilitação para casamento. Responsável: Cartório Noroes Milfont. Local: Z64

08h às 13h – Cadastramento para emissão de Passe Livre de Idosos. Responsável: SINDIONIBUS. Local: Z68

08h às 13h – Medição de massa corporal, teste de flexibilidade e força muscular. Responsável: Alunos do Curso de Educação Física/UNIFOR (Profa. Monica). Local: Estacionamento do Bloco Z – TENDA

08h às 13h – Solicitação de 2ª via de Certidão de Nascimento, atendimentos diversos. Responsável: Conselho Tutelar da Regional VI. Local: Z66

08h às 13h – Atendimentos sobre benefícios sociais. Responsável: INSS. Local: Estacionamento do Bloco Z – TENDA

08h30min – Exibição do filme “O TRIUNFO” (combate ao bullying). Responsável: Programa Criança e Adolescente. Local: Videoteca

09h – Teatro (grupo Mirante UNIFOR). Responsável: Programa Resgate Familiar (Projeto Cidadania Ativa). Local: Estacionamento em frente a entrada do EPJ

09h30 – Atendimento a mulheres vítimas de violência. Responsável: Programação de Proteção das Mulheres (Projeto Cidadania Ativa). Local: Núcleo D do EPJ

10h30min – SESSÕES DE CINEMA. Responsável: UNIFOR. Local: Videoteca

PALESTRAS/OFICINAS:

09h – “Os novos núcleos familiares na sociedade”. Público Alvo: Funcionários e pais de alunos da escola Dom Lustosa. Responsável: Programa Resgate Familiar (Projeto Cidadania Ativa). Palestrante: Naderja Naira Coelho – Assistente Social. Local: Sala Z69

09h – “Como regularizar meu negócio”. Público Alvo: Empresários do Dendê. Responsável: SEBRAE (Paulo Sérgio). Local: Sala Z67

10h – “Educação Fiscal, enfocando o Sistema Tributário e Direito Previdenciário”. Público Alvo: Empresários do Dendê. Responsável: RECEITA FEDERAL (Gilson Fernandes). Local: Sala Z67

10:30h – “Meu Primeiro Emprego e como me preparar para entrevistas  de emprego. Público Alvo: Adolescentes / Jovens. Responsável: Programa Direito Trabalhista (Projeto Cidadania Ativa). Local: Sala Z61

11h – “Como economizar energia”. Público Alvo: Toda a comunidade. Responsável: COELCE. Local: Sala Z65

Texto de Vivianne Rodrigues

Reflexões sobre Jornalismo colaborativo empolgam no Ciberdebates

O terceiro Ciberdebates deste ano abordou a temática “Jornalismo Colaborativo”,no auditório da biblioteca da Universidade de Fortaleza (Unifor), e empolgou os participantes com reflexões profundas da divisão de poder no jornalismo.

O debate contou com a presença dos convidados Kélvia Ribeiro, jornalista da Verdes Mares; Michel Victor , coordenador de Mídias Sociais de O POVO; e Reginaldo Aguiar, jornalista da TV Jangadeiro.

Segundo a professora de Jornalismo na Unifor, Janayde Gonçalves, o debate discutiu a participação dos leitores e consumidores de informação na produção da notícia.

Cita-se como exemplos as diversas fotos mandadas às redações de jornais, mostrando os problemas de alagamento ocorridos em Fortaleza. Estas fotos foram tiradas por pessoas que costumam ”apenas consumir a informação”.

Há portanto uma facilidade para o jornalista angariar informações sem precisar sair de sua redação. Buscando  dados através de novas mídias (internet) e veículos de comunicação de fácil acesso ( celulares,smartphones entre outros) entre vários membros da sociedade.

Porém essa facilidade levanta uma questão. Até que ponto essa comodidade não influencia de forma negativa um jornalismo que se propõem responsável?

O evento que ocorreu durante boa parte da manhã,e foi transmitido pela internet, abriu espaço para a participação de internautas e alunos que enviaram perguntas à mesa.

Para conferir mais acesse o site: http://ciberdebatesunifor.blogspot.com

Para ver a apresentação: http://pt-br.justin.tv/ciberdebates/videos

O que é o Ciberdebate?

Segundo a descrição do perfil do evento no Twitter ,”o Ciberdebates é um projeto produzido por alunos e professores do curso de Jornalismo da Unifor, que analisa as novas tendências da comunicação. ”

Além do perfil no Twitter, o evento conta com perfis em outras redes sociais como Facebook, Youtube e Justin.TV.

Texto de Luiz Carlos Bomfim

Diretores cearenses debatem o cinema regional

O cinema cearense será o foco dos debates do “II Ceará Cine Fórum da Unifor”, a ser realizado nesta terça-feira (19/04). O projeto do fórum é desenvolvido pelo curso de Audiovisual e Novas Mídias e tem como objetivo promover a interação e a troca de ideias entre os alunos da academia e o mercado cinematográfico. O evento é aberto a todos os alunos da Universidade.

Foto: Internet

Os dois primeiros dirigiram o longa “As Mães de Chico Xavier”, lançado no início do mês, e que está em cartaz nas salas de exibição de todo o país.

Joe Pimentel dirigiu, juntamente com o professor Gláuber, o longa “Bezerra de Menezes: o diário de um espírito”, de 2008, que atingiu enorme sucesso de público.

Atualmente, Joe Pimentel está rodando o seu 2º longa-metragem, intitulado “Homens com Cheiro de Flor” e que aborda a realidade dos matadores de aluguel. O filme está sendo rodado em Quixadá.

Serviço:
II Ceará Cine Fórum da Unifor
Local: Bloco P, sala 2
Palestrantes: Gláuber Filho, Hálder Gomes e Joe Pimentel
Horário: 19h

Texto de Ricardo Garcia

Assessores discutem a nova posição do jornalista como gestor empresarial

Imagem: site ciflorestas

 

Acontecerá nessa segunda-feira (21) o Seminário Comunicação Empresarial, Novos Mercados. O evento contará com a participação dos diretores de tradicionais agências de comunicação de Fortaleza. Sandra Nunes da VSM Comunicação, Apolônio Aguiar sócio-fundador da AD2M Engenharia de Comunicação e Sônia Lage, diretora da Dégagé, se apresentam às 8h30, no auditório da Biblioteca da Universidade de Fortaleza.

O seminário tem como meta informar os estudantes sobre o mercado de comunicação empresarial, trocar experiências e estimular os alunos a atuarem nesse meio, pois a área de Comunicação Empresarial será o dobro do que é hoje em cinco anos, segundo o Presidente da Aberje, Rodolfo Guttilla.

Voltado para estudantes de Comunicação Social, o seminário deve trazer, no relato dos palestrantes, os novos conceitos de Comunicação Empresarial, atividade bastante crescente nos últimos cinco anos, acredita o coordenador do curso de Jornalismo, Wagner Borges. “Estamos pensando em fazer uma mudança na matriz curricular e ouvir o mercado é fundamental para esse processo”, afirmou.

A Comunicação Empresarial é uma atividade desenvolvida pelas diretorias e presidências das empresas, e sua meta é reforçar a imagem dessa empresa junto aos seus públicos.

Reforçar a imagem das empresas junto aos seus públicos é a principal função dos gestores na atualidade. Para tanto, diretores e presidentes dos mais diversos ramos empresariais contam com a atuação de jornalistas e publicitários.

O seminário, que tem formato de mesa redonda, aberto à participação e debate do público, está sendo promovido pelo curso de Jornalismo, mas é também voltado para o estudantes de Publicidade e Propaganda. Os presentes receberão um certificado de participação.

Texto de Bárbara Ferraz

Palestra de Paulo Henrique Amorim tem tom político e contra Globo

Na palestra intitulada “Mídia: Regulação e Democracia”, o jornalista e sociólogo Paulo Henrique Amorim criticou a Rede Globo e a sua influência negativa na história do País. Comentou ainda a importância das mídias sociais, como Facebook e Twitter, mas alertou que só engajamento político é que faz revolução. O encontro ocorreu no auditório da Faculdade de Direito da UFC, nesta sexta (18).

Confira os principais tópicos da palestra nas palavras do próprio P.H. Amorim:

Projeto de marco regulatório

– Tem um projeto do ministro Franklin Martins que foi entregue ao ministro Paulo Bernardi. Os pontos principais do projeto são: criar uma Agência Nacional de Comunicação (ANC) que vai regular os meios de comunicação. Esse projeto não veiculou na mídia impressa. Não trata de censura, ele estabelece alguns mecanismos centrais.

O projeto estabelece: quem produz não distribui, quem distribui não produz. Isso significa que quem tem o canal tem que contratar gente, tem que comprar os nossos produtos. Outra importante novidade desse projeto proíbe a propriedade privada. Vou dá exemplo do Rio de Janeiro: a rede Globo tem a TV Globo, a rádio Globo, a revista Época, a editora de livro, a Internet, o portal, o jornal e a Globo News. Isso é propriedade privada. Nós (defensores da liberdade de expressão) temos um foco. Temos uma tarefa, a de construir no Brasil um marco regulatório. O marco existe nos Estados Unidos, no Canadá, na Inglaterra, na França, e em outros países.

Marco regulatório não tem nada a ver com censura. Como disse o Miro [Altamiro Borges] presidente do Barão de Itararé: “Uma coisa é liberdade de imprensa, outra coisa é liberdade de empresa”. Liberdade de imprensa é liberdade de imprimir, de expressão, de se defender, de reivindicar, de ser livre, e é isso que a imprensa brasileira não permite. Nosso objetivo como blogueiro, twiteiro, militantes políticos, religiosos e das comunicações sociais é de ajudar a construir o marco regulatório.

PIG (Partido da Imprensa Golpista)

– Eu me apropriei de uma expressão do deputado federal do PT de Pernambuco, Fernando Ferro quando se referiu a uma atividade nociva do diretor de jornalismo da Globo, o Ali Kamel. O deputado disse na Câmara que suas ações eram provenientes do PIG, Partido da Imprensa Golpista. Como sabem todos, pig, em inglês, é porco, e a imprensa do Brasil golpista é porca. É uma imprensa suja, desonesta, que trunca, que mente. Eu me refiro especificamente a Globo e as suas ramificações, a Folha [de São Paulo] e suas empresas e ao Estado de São Paulo. Não incluo neste grupo, como se poderia esperar, a revista Veja!, porque na minha humilde opinião a Veja! não é um órgão de comunicação, mas um detrito de maré baixa.

A “urubóloga” Miriam Leitão

Internet e revolução

– Eu acho que a Internet, o Twitter e o Facebook desempenharam e desempenham um papel renovador e revolucionário nesse movimento político que aconteceu no Oriente Médio. Mas não podemos perder a perspectiva. Internet, Twitter e Facebook não fazem revolução. Ajudam, articulam, facilitam a divulgação de ideias e de atividades, mas quem faz a revolução é a articulação política. Sem povo na rua não há mudança social.

Lula e Veja

– Recentemente fui a uma festa da Carta Capital em que ela oferece o prêmio das empresas mais admiradas do Brasil e o presidente Lula foi todo os anos. A certa altura ele disse o seguinte e eu vou reproduzir: “A revista da Cut [Central Única dos Trabalhadores] foi proibida de circular porque pois a Dilma na capa, enquanto isso a revista Veja! põe qualquer coisa na capa, em forma de acinte a democracia. Todo mundo sabe que essa discussão sobre a liberdade de imprensa é uma grande hipocrisia”. Lula disse pausadamente: hi-po-cri-sia. E abriu os braços para a plateia de empresários, que ficou sem piscar o olho, e disse: “Ninguém diz nada porque todo mundo aqui quer sair na capa da Veja!. Nesse País é só acusar. Acusa e não precisa provar nada. E quando o acusado cobra resposta saí uma notinha”.

Cinco pecados capitais da Globo

– O primeiro pecado capital é que a Globo nasceu como uma empresa estrangeira. Ela era do grupo Time Life americano. Fizeram uma CPI no Congresso para discutir a Time Life e tinha um senador do grupo do Assis Chateaubriand que queria descobrir como é que entrava dinheiro da Time Life na Globo. Aí, o então presidente Costa e Silva chamou o ministro da Fazenda, Antônio Delfim Neto e disse pra chamar o Roberto Marinho e acabar com essa história. O quê que o Roberto Marinho pediu pro Delfim? Anúncio. O Costa e Silva comprou tabela cheia [grade completa de publicidade de uma emissora] e o Roberto Marinho pagou os americanos e eles foram embora. Assim começou a Globo.

Depois, em 1982, a Globo entrou em uma conspirata com os militares para eleger governador do Rio o atual ministro Wellington Moreira Franco. Os militares montaram um sistema de fraudar a eleição no computador e através da empresa de tecnologia chamada Pró-Consult os votos que iam pro Brizola na zona oeste e na baixada fluminense se converteram em votos brancos e nulos. Assim, Moreira Franco ia ganhar a eleição na fraude com o apoio da Rede Globo! A Globo e o jornal O Globo diziam todo dia, no início da apuração, que o Moreira tava na frente ia ganhar a eleição. Mas o Brizola acabou ganhando a eleição com cinco pontos de vantagem.

Na campanha das Diretas, o primeiro comício foi em São Paulo, no dia da cidade de São Paulo, e a Globo entrou ao vivo no Jornal Nacional com uma matéria do Ernesto Paglia. O repórter dizia que aquela multidão estava lá na Praça da Sé para comemorar o aniversário de São Paulo.

Teve o quarto pecado capital, que foi em 1989, na ante-véspera da eleição Lula versus Collor. No dia anterior havia acontecido um debate e a Globo fez uma edição no Jornal Nacional completamente tendenciosa à favor do Collor. A ordem do Roberto Marinho foi: “Dê tudo de bom do Collor e tudo de mau do Lula.” Isto é depoimento gravado no Sindicato de Jornalistas do Rio de Janeiro, pelo editor que foi pra ilha [de edição] cortar o debate. Isso é um documento histórico, não é uma versão.

E finalmente, em 2006, a Globo levou a eleição para o segundo turno. Ela omitiu o desastre da Gol quando morreram 154 pessoas. Isso para não desmontar o Jornal Nacional que tinha uma matéria sobre os aloprados e a ausência do Lula na véspera do debate que houve na Rede Globo. Os dois pilotos americanos irresponsáveis foram protegidos pelo PIG. A Globo omitiu o desastre para levar a eleição para o segundo turno, e levou.

Foto: Leonardo Felter

Texto: Wolney Batista
Vídeo: Blog da Dilma