Papodebate: “A mulher não só cuida, ela também administra”

Foto: Daniel Brainer
Foto: Daniel Brainer

Analisar a atuação cada vez mais crescente da mulher como profissional da Comunicação Social foi o objetivo do Papo-Debate,  realizado nesta quinta-feira, no auditório A1. O tema “Mulheres no Comando” foi discutido por Erilene Firmino, chefe de reportagem do Diário do Nordeste, e Ivelize Maia, diretora de Jornalismo da TV Fortaleza. O evento foi organizado pelo coordenador do curso de Jornalismo da Universidade de Fortaleza (Unifor), Wagner Borges.

Aspectos muito próprios da profissional do gênero feminino, como o cuidado durante a consecução da pauta e a organização, foram alguns importantes apontamentos realizados. “A mulher não só cuida, ela também administra. Uma redação, apesar de suas particularidades, é uma empresa que precisa de alguém que organize e gerencie. As notícias estão todas aí, mas é necessário alguém que selecione as que serão cobertas. Essa posição é administrativa e gerencial, não só saber lead”, colocou Erilene Firmino.

A importância da mescla de profissionais homens e mulheres, da complementaridade para a qualidade na produção, comprovada pela existência dos termos “repórter” e “jornalista”, que não definem gênero, consistiu em outro importante ponto comentado.

Foto: Daniel Brainer.
Foto: Daniel Brainer.

Dando provas do caráter cuidadoso colocado como tão próprio das mulheres, as convidadas ofereceram, também, conselhos aos jornalistas em formação, enfatizando a importância do ambiente acadêmico e dos aprendizados adquiridos na faculdade para o futuro profissional. O exercício da leitura constante, por exemplo, foi recomendado. “Se eu não leio, eu não me aperfeiçoo naquilo que eu estou fazendo. É a principal das nossas dificuldades hoje nas redações, os profissionais não leêm o suficiente, acham que já sabem de tudo”, comentou Ivelize Maia.

O estudante do quinto semestre do curso de Jornalismo da Unifor, Gabriel Salcêdo, julgou a palestra positiva. “A mulher além de ser organizada é detalhista. Com o tempo foi revelando que seu objetivo não era provar-se melhor que o homem, e sim revelar o que era capaz de fazer. Achei a palestra interessante, pois as convidadas mostraram que na faculdade há espaço para a criação, enquanto no mercado há um modelo pronto.”

O Papo-Debate é um evento promovido sazonalmente pelo curso de Jornalismo da Unifor, que procura mostrar aspectos importantes da profissão aos seus alunos. Esta edição marcou o Dia do Trabalho, comemorado na última quarta-feira (1/05).

Texto: Janine Nogueira

“Mulheres no comando” terá sua segunda edição nesta quinta-feira

cartaz

O Papo-Debate é um evento promovido sazonalmente pelo curso de Jornalismo da Unifor, que procura mostrar aspectos importantes da profissão aos seus alunos. Nesta edição, que acontece no próximo dia 2 de maio, às 8h, no Auditório A1, tem como tema “Mulheres no comando”, que marca o Dia do Trabalho, comemorado neste 1 de Maio.

As mulheres, cada dia mais, conquistam locais de comando no jornalismo, e hoje são maioria na profissão. Segundo pesquisa da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), chamada “Perfil do jornalista brasileiro – Características demográficas, políticas e do trabalho jornalístico em 2012”, a categoria tornou-se majoritariamente feminina (64%) e jovem (59% têm até 30 anos). Entre outros dados, o levantamento constata que 98% da categoria tem formação superior e 40% já com pós-graduação. Os resultados quantitativos são de enquete com 2.731 profissionais, realizada entre setembro e novembro do ano passado.

O tema foi abordado também ano passado, com a boa repercussão, no lançamento do projeto Papo-debate. São palestrantes Erilene Firmino, chefe de reportagem do Diário do Nordeste, e Ivelize Maia, diretora de jornalismo da TV Fortaleza. O evento organizado pelo coordenador do curso de Jornalismo da Unifor, Wagner Borges, tem como um dos seus objetivos discutir a distorção da imagem da mulher quanto ao seu papel na sociedade e sobre de que forma ela é vista nas redações jornalísticas, quando estão no comando.

A palestra será de caráter público e valerá certificação de atividades complementas. “A primeira experiência foi muito boa e nós decidimos seguir com o projeto”, comenta Wagner Borges.

Bruno Andrade