Artes plásticas nordestinas recebem exposição no campus

banner-uniforplasticaxvii

A Universidade de Fortaleza realizará, no Espaço Cultural Unifor, a XVII Unifor Plástica. O evento ocorrerá a partir de 24 de outubro de 2013 e se estenderá até 23 de março de 2014. A mostra reunirá obras de artistas nordestinos e, principalmente, cearenses e residentes do estado.

A atual edição foi submetida à avaliação de importantes críticos e curadores de arte, o que, além de elevar ainda mais o nível das produções exibidas, contribui para a atualização do evento ao evitar a repetição de alguns artistas.

Nomes como Sérvulo Esmeraldo, Rodrigo Frota, Nice Firmeza e Chico de Almeida, já presentes no acervo da Fundação Edson Queiroz, também estarão na exposição. Serão apresentados, ainda, trabalhos atemporais assinados por Zé Tarcísio, Eduardo Frota, José Guedes, Milena Travassos, Jared Domicio, Yuri Firmeza, entre outros.

O objetivo dos organizadores Paulo Herkenhoff , diretor cultural do Museu de Arte do Rio (MAR), e Marcelo Campos, curador, é “educar o público cearense para um novo modelo de arte, já que está tão acostumado a um antigo modelo”, como explica Herkenhoff.

A pluralidade de obras e artistas da terra demonstra toda a diversidade cultural da região, que, apesar de bastante vasta, não é tão reconhecida pela população. A XVII Unifor Plástica é mais um incentivo à produção artística cearense promovido pela Fundação Edson Queiroz.

Serviço

XVII Unifor Plástica

Abertura: 24 de outubro de 2013, das 20h às 22h30
Visitação: 24 de outubro de 2013 a 23 de março de 2014
De terça a sexta-feira, das 8h às 20h, e aos sábados e domingos, das 10h às 18h
Local: Espaço Cultural Unifor
Aberto ao público
Mais informações: 3477 3319

Texto: Fernanda Gurgel

Unifor comemora seus 40 anos com mostra Trajetórias

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A partir de amanhã, 21, estará aberta, às 20h, a mostra ‘Trajetórias – Arte brasileira na Coleção Fundação Edson Queiroz’, no Espaço Cultural. A exposição reunirá mais de 250 obras de artistas como Lasar Segall, Tarsila do Amaral, Alfredo Volpi e Antônio Bandeira.

Paulo Herkenhoff. Foto: Divulgação
Paulo Herkenhoff. Foto: Divulgação

Para a exposição, a Fundação Edson Queiroz construiu um acervo de arte brasileira do século 20. Tendo como organizador o crítico de arte Paulo Herkenhoff, a mostra vai privilegiar valores como excelência, singularidade, solidez do discurso e diferenças culturais presentes na formação do acervo. Segundo ele, o acervo vale pela qualidade das suas obras e o significado entre elas.

Além de exibir seu acervo artístico, a Fundação irá lançar o catálogo comemorativo. Segundo o curador, ‘tanto a mostra como o catálogo foram desenvolvidos sob um rigoroso conceito que permite leituras historiográficas e transversais inovadoras da história da arte brasileira, fora da perspectiva habitual dos manuais didáticos’. Nesses termos, a Unifor contribuirá para o debate nacional da arte brasileira.

Uma das obras que serão expostas na Trajetória. Di CavalcantiPaisagem, 1959
Uma das obras que serão expostas na Trajetória. Di Cavalcanti
Paisagem, 1959

Para dar dinamicidade à exposição, Paulo dará uma palestra no dia 22 de março, no Auditório da Biblioteca, sobre o trabalho de preparação do acervo de ‘Trajetórias’. Na palestra, serão abordados os recortes de organização da exposição, os núcleos fundamentais para a construção da história da arte brasileira e as obras de destaque do acervo. Logo após, haverá uma visita guiada por ele.

Curiosidades

Entre as universidades, o acervo artístico da Unifor só é superado pelo Museu D. João VI da UFRJ e pelo extraordinário Museu de Arte Contemporânea da USP, cujo ponto de partida foi o legado do casal Ciccilo Matarazzo e Yolanda Penteado. São duas universidades públicas, fato que eleva a Unifor à posição de detentora da maior e melhor coleção de artes visuais de uma universidade privada do país.

Texto: Lia Sequeira