Quando a aula vira poesia

Foto: Marina Duarte

Feito para gente ‘lascada’ até mesmo a mais chique. O ‘Direito Poemado’ é uma coletânea de textos feita pelo aluno do quinto semestre de Direito, Marcus Cunha, falando sobre o curso de uma maneira leve e humorada com direito a ditos populares e gírias nordestinas. O livro conta das suas experiências e vivências em sala de aula em forma de poemas. Fala das disciplinas, de alguns professores, de métodos de estudos etc.

A ideia surgiu quando Marcus fazia uma pesquisa para a disciplina de Psicologia Jurídica e encontrou uma matéria falando sobre uma petição em forma de cordel dada por um advogado e achou aquilo muito interessante. Marcus sempre teve uma grande vontade de contribuir na vida e formação das pessoas, foi quando ele uniu a literatura com a educação. O livro começou a ser escrito em seu segundo semestre de curso, mas mais durante as férias, devido seu tempo livre ser escasso, pois estuda e trabalha.

O livro é produzido com a ajuda de patrocinadores e através de uma espécie de “livro de ouro” onde conhecidos assinam seus nomes e fazem contribuições em dinheiro para a produção do trabalho. “Já recebi doações de até 300 reais”, conta realizado. A publicidade é feita no boca a boca e em eventos da própria universidade ou da sua igreja. Esse mês, ‘O Direito Poemado’ será apresentado no Encontro de Trabalhos Científicos que acontecerá entre os dias 22 e 27 de outubro, na Unifor.

A coletânea já possui proposta de uma editora para virar livro, quando seu número de páginas for maior. A ambição de Marcus é ampliá-lo e disseminá-lo. Uma segunda edição já está sendo feita com 20 páginas a mais que a primeira, que possui 35, e com pronunciamentos de um aluno, do coordenador do curso, Sidney Guerra, e de uma magistrada. Marcus pretende, ainda, promover um concurso literário em uma escola pública onde o vencedor, além de ganhar um prêmio, terá seu texto vinculado no livro. Com isso, ele pretende estimular o interesse pela escrita e pela leitura entre os jovens.

Serviço
O Direito Poemado
Livro de poemas sobre o curso de Direito
Pedidos: marcuscunhab@hotmail.com
ou pelo telefone 85 9672.3122.

Texto: Iara Sá

Aíla Sampaio lança mais um livro de poemas

Foto: Tircianny Araújo

A escritora e também professora Aíla Sampaio lançará seu terceiro livro nesta quinta-feira (21). “De Olhos Entreabertos” é uma obra com mais de 100 poemas separados em dois capítulos temáticos. O lançamento acontecerá no Mercado dos Pinhões às 19h, com a apresentação da autora e da obra pelo poeta Dimas Macêdo e pelo jornalista Carlos Augusto Viana.

O nome do livro não veio por acaso. Conforme Aíla, ele foi inspirado no título do seu blog onde lá a autora guarda seus poemas. “Tenho um blog que administro há oito anos que se chama ‘De Olhos Entreabertos’, antes de começar a montar o livro pensei em colocar o mesmo título”. A ideia de lançar a obra veio a partir das suas publicações no blog. “Eu já vinha elaborando poemas de 10 anos pra cá, mas a maioria que está no livro foi feito nos dois últimos anos. Vi também que eles poderiam ser publicados não só no blog, mas também em um livro. Hoje ele está pronto e com 172 páginas”. A obra é dividida em duas partes, uma se chama ‘Da poesia que há em tudo’ e a outra ‘Do amor e suas farpas’. Conforme a autora, “a primeira parte contém poemas existenciais, sobre vida e gerais e a segunda são poemas românticos sobre espera, chegada e despedida.”

Aíla já planeja o lançamento de outro livro, mas desta vez com fotografias e envolvendo os alunos da Unifor. “Estou com um projeto de um livro que se chamará ‘Janelas de Mim’, nesta obra eu precisaria de fotos do campus da Unifor, todas com um estilo de foto polaróide e, logo abaixo, no espaço que ficaria em branco, eu entraria com os textos.” A autora leva a sério seu projeto e já pretende lançar no ano que vem. “Vou procurar os alunos estagiários da Central de Fotografia da Universidade para iniciar o trabalho. Esta vai ser uma obra em que muitos alunos poderão participar, pois precisarei de cerca de cem fotografias e já tenho partes do projeto em mente.”

Quem quiser conhecer mais o trabalho de Aíla Sampaio é só acessar: http://literaila.blogspot.com.br/

Foto: Divulgação

Texto: Tircianny Araújo
Orientação: Adriana Santiago

Livro resgata a memória da cantoria

Simone Oliveira de Castro, autora do livro "Memórias da Cantoria: palavra, performance e público"

“Memórias da Cantoria: palavra, performance e público” é o primeiro livro de Simone Oliveira de Castro. O lançamento aconteceu ontem em uma festa bastante disputada no Instituto Federal do Ceará (IFCE). A obra é o resultado do doutorado da historiadora e professora do Instituto. Emocionada, falou da honra e do orgulho que sentia pela ocasião e ressaltou que tardou em realizar o lançamento porque queria os entrevistados presentes.

Dentre eles estavam os cantadores de viola Geraldo Amâncio e Zilmar do Horizonte, os primeiros convidados a subirem ao palco. E foi num clima bastante descontraído que Geraldo Amâncio começou a falar: “desculpe, eu estava lá fora, nem ouvi quando fui chamado”. Em improviso eles cantaram o sabiá, estilo de rima cujo mote é “voa sabiá no galo da laranjeira/que a pedra da lavadeira vem zoando pelo ar”.

Continue lendo “Livro resgata a memória da cantoria”

Escritores, chegou a hora de tirar os textos da gaveta

Foto: Divulgação

Até o dia 23 de dezembro a Universidade de Fortaleza estará com inscrições abertas para a 4ª edição do Prêmio de Literatura da Unifor. O concurso, que neste ano será voltado para o gênero poesia, premiará 21 autores divididos em duas categorias: obra inédita e trabalho inédito. Na primeira modalidade, deverá ser apresentado um livro de poesia e o primeiro colocado ganhará uma viagem para conhecer a biblioteca Nacional do Congresso Americano, em Washigton. Já na segunda, o trabalho consiste em poesias avulsas e o vencedor terá direito a uma visita a Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro. Continue lendo “Escritores, chegou a hora de tirar os textos da gaveta”