Literatura e música de graça para todos


Amanhã será a aberta a X Bienal Internacional do Livro do Ceará, que acontecerá de 8 a 18 de novembro no Centro de Eventos do Ceará. Como tema principal, a Bienal vai apresentar a Padaria Espiritual, considerada como um dos mais importantes movimentos culturais do Ceará. Entre várias atrações literárias, nacionais e internacionais, também estão confirmados algumas apresentações musicais, como Gal Costa, O Teatro Mágico, Zeca Baleiro, Humberto Gessinger e o grupo Palavra Cantada.

De acordo com a assessoria da Bienal, os ingressos para os shows serão distribuídos gratuitamente no mesmo dia de cada atração, das 14h às 17h, no próprio Centro de Eventos. Cada pessoa pode pegar dois ingressos, mas o acesso está sujeito a lotação dos espaços. O auditório onde será realizado o show de abertura, dia 8, as 20h, com a apresentação de Gal Costa, tem capacidade média de 2200 pessoas.

A cantora Gal Costa deve apresentar o show Recanto, seu mais novo trabalho, dirigido pelo cantor Caetano Veloso. Parceiros desde a década de 60, os dois cantores são representantes do Tropicalismo, movimento artístico com forte influencia do modernismo e do regionalismo. Entre as canções do show, devem estar os sucessos Divino Maravilhoso, Baby, Folhetim e Gabriela.

Capa do novo livro do músico Humberto Gessinguer, “Nas entrelinhas do horizonte”.

Para lançar seu livro de crônicas, “Nas Entrelinhas do Horizonte”, o músico Humberto Gessinger, ex vocalista da banda Engenheiros do Hawaii, estará presente na Bienal. Depois do bate papo, um dos mais esperados pelo público, que recentemente lotou uma livraria na capital cearense para a sessão de autógrafos com Gessinguer, o músico fará um show, a partir das 20h do dia 11.

No encerramento do evento, é a vez das crianças se divertirem ao som do grupo Palavra Cantada. Com musicas muito conhecidas por tocarem em programas como Castelo Ratimbum, e outros produzidos pela TV cultura, o grupo marca a infância de muita gente desde a década de 90. Na apresentação devem entrar músicas como O Rato,  A Sopa e Criança não Trabalha.

Mais:                                                                                                                                                     Fique por dentro da programação da X Bienal Internacional do Livro do Ceará pelo site e receba as atualizações pela redes socias: Facebook e Twitter.

Texto: Lorena Cardoso

Cearenses querem mais shows

Ex-beatle se apresentou neste último fim de semana em Recife / Foto: Divulgação

Não é de hoje que o Brasil entrou na rota dos shows internacionais. Rock in Rio, Lollapalooza e, no último sábado, dia 21, aconteceu mais um show internacional: Paul McCartney. O cantor esteve em Recife (PE) pela turnê On the road. O show pode até ter sido na Capital do Pernambuco, mas movimentou uma grande quantidade de fãs cearenses.

O professor Eduardo Freire é um desses fãs, comprou a passagem com antecedência, viajou no sábado de manhã e retornou no domingo à tarde. Comprou mais camisetas dos Beatles e contou que as lojas da galeria Pedro Jorge estão vendendo muitas blusas deles. É a segunda vez que o professor vai a um show do Paul.“ O show tem três, três horas e meia e não se sente, pois ele o mantem. E é interessante que tem pessoas de todas as idades”, comenta Freire.

Líslie Lima, estudante do curso de direito, foi para o último Rock in Rio.“ Eu gostei muito, foi um evento tranquilo, apesar das grandes proporções,e, em especial no primeiro fim de semana, uma homenagem a música”, relembra. Rebeca Prado, aluna do curso de publicidade, foi ao Lollapalooza. “Eu gostei muito porque tive oportunidades de ver shows que nunca pensei que fosse poder assistir. Tanto de bandas internacionais, quanto de bandas nacionais. Mesmo debaixo de chuva e raios foi muito bom, deu pra aproveitar”.

Nos dias 25 e 26 de maio, Fortaleza receberá Chico Buarque em mais um show da sua turnê “Chico”. No dia 30 de Junho está marcado um show de Jennifer Lopes. No entanto, casos como a confirmação do show do Maroon 5, que foi divulgado como confirmado, mas foi desmentido dois dias depois, mostra o quanto o Estado está distante da realidade de outros locais. Fabíola Cordeiro, aluna do curso de Jornalismo, foi uma entre os muitos que ficaram chateados com o caso. “Eu vi a notícia no site da Uol, que o show foi confirmado pela produtora, mandei e-mail pra muita gente e fiquei toda feliz. Mas, um dia ou dois depois, desmentiram. Aqui nunca tem show muito bom e quando tem, é muito caro”, reclama.

A advogada Thalita Lopes, que foi ao Rock in Rio, acha que o problema está na falta de interesse das produtoras cearenses. “Eu acho que falta interesse das produtoras daqui para trazer shows de grande porte. Nossas produtoras são fortes, mas os eventos têm os mesmos perfis, e quase sempre voltados para o forró. Não entendo o que falta para acontecer shows como os que tiveram no Rock in Rio. Sem falar que tem vários estados menores mais próximos de Fortaleza do que de Recife ou de Salvador”, analisa. Rebeca acha que o problema está na falta de estrutura. “Fortaleza deveria ter um espaço apropriado pra isso, pois o canto que tem pra show grande são os estádios, que não são apropriados. O Siará hall, é muito pequeno”.

Texto: Hyana Rocha
Orientação: Alejandro Sepúlveda