[Foca Nessa] Há um espaço novinho para a cultura em Fortaleza

Foto: Manoela Cavalcanti
Entrada da Caixa Cultural em Fortaleza. Foto: Manoela Cavalcanti

Presente em Porto Alegre, Rio de Janeiro, Recife, Brasília, Curitiba, Salvador e São Paulo, a Caixa Cultural acrescentou Fortaleza como uma de suas sedes, em Junho de 2012. Os espaços são bem diferentes entre as cidades, mas todos têm em comum a proposta de fomento à arte e cultura, por meio de exposições, shows musicais, teatrais, etc . Também há Editais, programas e oficinas de inclusão social.

Apesar de ficar no antigo prédio da Alfândega, construído no final do século XIX e tombado pelo Patrimônio Histórico, a sede de Fortaleza tem até cheiro de coisa nova. Ao entrar, o visitante caminha por uma alameda verdejante com uma fonte no fundo. Dentro do prédio, há foyer, teatro, café, livraria e salas para exposições.

Shows

A programação dos espaços está em constante mudanças. A Caixa Cultural daqui teve, no início de março, show da cantora Zizi Possi, e terá este fim de semana, dias 15, 16 e 17, três apresentações de Geraldo Azevedo, no show O Canto e a Poesia.  Os ingressos, no entanto já estão esgotados na bilheteria.

Foto: Manoela Cavalcanti
Teatro no qual se apresentará Geraldo Azevedo. Foto: Manoela Cavalcanti

O rápido esgotamento de lugares tem aborrecido parte do público, que fez críticas abertas à instituição, via Facebook. O site da sede Fortaleza ainda não dispõe programação, e também não há informações sobre isso em publicações impressas.

Segundo uma funcionária do local, alguns artistas ainda não haviam confirmado datas, por isso a falta de informações, tanto no site, quanto em folhetos ou folders. Nos dias 22, 23 e 24 de março haverá uma peça teatral chamada “Como Nascem as Estrelas”, uma adaptação teatral do livro homônimo de Clarice Lispector, relacionada a obra literária  A Hora da Estrela.

Salas Expositoras

Orlando Villas Bôas no Xingu. Foto: Manoela Cavalcanti
Orlando Villas Bôas no Xingu. Exposição de Renato Soares

Kuarup – a última viagem de Orlando Villas Bôas é o título da corrente exposição no espaço da Caixa. Com três ambientes interativos, vídeos, fotografias e objetos, a mostra une a história de vida dos irmãos Villas Bôas – missionários em defesa da cultura indígena – e fotografias que documentam uma cerimônia dos índios, o Kuarup, em homenagem a seus mortos.

O Kuarup registrado pelas lentes do fotógrafo Renato Soares, em 34 fotografias, tem uma particularidade: é a última homenagem dos indígenas feita para Orlando Villas Bôas, por isso o título. Provavelmente o único Kuarup em honra a um “homem branco”.

A exposição remonta a vida dos irmãos desbravadores, a relação com a comunidade indígena, assim como a criação do Parque do Xingu e seu legado. Apresenta Orlando Vilas Boas como uma espécie de intelectual aventureiro – um Indiana Jones do Brasil, mas com uma causa verdadeira, premente, nobre, e atualíssima.

Fotografia de Renato Soares
Índio. Exposição de Renato Soares

Serviço

Exposição: de 26 de fevereiro a 7 de abril de 2013 (de terça-feira a domingo)
Horário: das 10h às 20h
Local: Galeria da CAIXA Cultural Fortaleza (CE)
Endereço: Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema
Entrada: Franca
Classificação etária: Livre
Informações: (85) 3453-2770

Texto: Manoela Cavalcanti

Há vagas na Cia de Dança e no Grupo Mirante de Teatro

Ensaio da Cia de Dança Unifor. Foto: Acervo Pessoal
Ensaio da Cia de Dança Unifor. Foto: Acervo Pessoal

A Universidade de Fortaleza oferece uma oportunidade para os universitários que já possuem alguma experiência em dança ou teatro de integrar a Companhia de Dança da Unifor e o Grupo Mirante de Teatro. As inscrições para a Companhia de Dança vão até o dia 1º de abril e para o Grupo Mirante de Teatro, as inscrições seguem até amanhã na Vice-Reitoria de Extensão.

Dança

Manuela Barbazan é bailarina da Cia de Dança. Foto: Acervo pessoal
Manuela Barbazan é bailarina da Cia de Dança. Foto: Acervo pessoal

Serão selecionados quatro candidatos que seguirão em um período de estágio de três meses. Além de experiência mínima de dois anos em ballet clássico, jazz, dança contemporânea ou outro estilo, o candidato já deve ter concluído de 20% a 80% de qualquer curso da Unifor. Na seleção, serão avaliadas a postura e presença cênica do candidato, suas habilidades técnicas no estilo de dança escolhido, além da capacidade de criação e interpretação.

A estudante do curso de Arquitetura e Urbanismo Manuela Barbazan entrou para a Companhia no primeiro semestre de 2012. Ela conta que se interessou em participar para conhecer a dança moderna, pois sua formação era clássica. Ela afirma também que o desconto na mensalidade da sua graduação ajudou bastante para continuar na companhia.

Teatro

A seleção para o Mirante visa preencher 4 vagas do grupo. O candidato precisa ter formação técnica ou prática como ator, com experiência. Esta audição não é exclusiva para alunos da Unifor. Segundo Kelva Saraiva, coordenadora do grupo de teatro, a procura por atores sem formação e a dificuldade de encontrar atores dentro da universidade levaram a abertura de inscrições para o público em geral. Para se destacar na seleção, Kelva garante que a experiência de palco é essencial: “Um curso de teatro não garante a formação de um ator. O ator se forma de fato ao entrar em cena, fazer temporada, experimentar o frio na barriga, que só quem encara a plateia, sente.”. É preciso também ter energia, calma e criatividade para a prova de desempenho. O grupo Mirante de Teatro já apresentou espetáculos como Pinóquio, Peter Pan e O Mágico de Oz.

Serviço

Audição para a Companhia de Dança
Inscrições: 19 de fevereiro a 1º de abril de 2013, de segunda a sexta-feira, de 8h às 17h Local: Vice-Reitoria de Extensão e Comunidade Universitária Mais informações: 3477-3311

Audição para o Grupo Mirante de Teatro
Inscrições: 08 a 28 de fevereiro de 2013, de segunda a sexta-feira, de 8h às 17h Local: Vice-Reitoria de Extensão e Comunidade Universitária Mais informações: 3477-3311 / kelva@unifor.br

Texto: Daniela Costa

Estudantes montam musical para concluir graduação


O curso de Belas Artes, da Universidade de Fortaleza, apresenta durante o mês de novembro, o musical O Despertar da Primavera. Adaptação da peça do alemão Frank Wedekind, criada em 1891, mas que foi ao palco apenas em 1906, por se tratar de assuntos bastante polêmicos para a época e que ainda são temas delicados para os dias atuais.

A aluna Manoela Elias decidiu fazer da adaptação de O Despertar da Primavera o seu Trabalho de Conclusão de Curso TCC. “Resolvi montar esse musical para falar para as pessoas através da música e do teatro, coisas que ainda precisam ser ditas. A peça é uma maneira de levar ao público não só um espetáculo, mas uma história, uma mensagem”, declara a jovem.

O musical é baseado no drama dos adolescentes e em suas dificuldades de aceitarem as normas sociais. O espetáculo tem duas horas de duração, com um intervalo de 10 minutos, e conta com letras da Broadway traduzidas para o português por Claudio Botelho. Vale ressaltar que os atores da peça também são cantores.

A diretora, Manoela, conseguiu agregar vários alunos e colaboradores, como a Unifor, para seu musical. São aproximadamente 25 pessoas que ajudaram a montar o espetáculo, incluindo os 13 atores. O material de divulgação e os vídeos foram feitos por alunos da Unifor, como o designer Saul Sales, do curso de Publicidade e Propaganda, e Maurício Macêdo, do curso de Audiovisual. O musical é uma oportunidade da cena local valorizar os artistas cearenses.

SERVIÇO:
Musical “O Despertar da Primavera”
Local: Teatro Celina Queiroz
Data: 3 e 4 de novembro (sábado e domingo)
Censura: 14 anos
Grátis

Texto: Beatriz Vieira e Vitória Matos
Acerola – Assessoria de Comunicação

Regina Duarte atua, dança e dirige, mas confessa que cansou

Elenco de Raimunda Raimunda em entrevista. Foto: Thalyta Martins

“ Foi muito bom, mas eu não quero mais fazer outra peça assim, atuando e dirigindo ao mesmo tempo, é muito complicado”, disse quase ofegante para ressaltar o trabalho simultâneo. Aos 50 anos de carreira, a atriz Regina Duarte se lança em um novo desafio: atuar e dirigir o mesmo espetáculo. A peça é Raimunda Raimunda, que esteve em cartaz durante o ultimo fim de semana no Teatro Celina Queiroz, na Unifor. Com ingressos esgotados, a atriz se apresentou em quatro sessões, levando o público fortalezense às gargalhadas.

Antes da estreia em Fortaleza, em entrevista coletiva, a atriz falou do desafio dessa montagem. Os atores que dividem a cena com Regina, comentam que, mesmo no palco, a diretora não sai da atriz. “Ela está sempre atenta, coordenando a gente, enquanto o espetáculo esta rolando”, comentou um dos colegas de palco.
Em cena, Regina Duarte, além de atuar fanha e com um lábio leporino, dança, desfila e rola no chão diversas vezes. “Fiquei impressionada com ela no palco. Pela idade que tem não esperei que fosse tão ativa no palco.”, comentou Paôla de Souza.

A veterana do teatro e da televisão, também falou que estava muito feliz em se apresentar no Ceará e que, desde a concepção da peça, esperou por esse momento. O texto do piauiense piauiense Francisco Pereira da Silva faz uma homenagem aos cearenses, ao ressaltar características típicas da linguagem, de alguns lugares e de algumas imagens criadas pelo povo.

Foto: Thalyta Martins

O espetáculo

Raimunda é uma cearense sonhadora, vaidosa, que sai da periferia de Fortaleza em busca da realização de seu sonho, a qualquer custo. A narrativa é contada em flashback, em dois atos. O primeiro se passa no futuro, já o segundo, no passado, onde Raimunda relembra sua trajetória. Com muito humor, a trama tem como cenário a década de cinquenta, e conta com alguns personagens e episódios históricos, como Getúlio Vargas e seu segurança fiel, Gregório Fortunato, também a explosão da bomba em Hiroshima. Em cena são 9 atores (Gustavo Rodrigues, Rodrigo Candelot, Henrique Manoel Pinho, André Cursino, Milton Filho, Saulo Segreto, Ricardo Soares e Rodrigo Becker e Regina Duarte) , que interpretam 20 personagens em 26 cenários com 52 figurinos. No texto estão presentes elementos típicos do Ceará, como expressões, lugares e imagens.

Texto: Lorena Cardoso

Festival de Artes Cênicas celebra aniversário do TJA

Aniversário do TJA é comemorado com Festival de Teatro / Foto: Renata Pires

No dia 17 de junho, o Theatro José de Alencar (TJA), que até hoje continua sendo uma referência artística e turística para Fortaleza, celebra 102 anos de existência e, para comemorar a data, a Secretária de Cultura do Ceará promove junto a uma série de eventos culturais, o “Zona de Transição”, Festival Internacional de Artes Cênicas do Ceará, que acontece entre os dias 15 a 24 de junho.

O festival que tem como proposta servir de intercâmbio cultural, conta com mais de 40 produções de países diferentes, como Argentina, Dinamarca, Itália, Paraguai, Brasil etc. As apresentações variam entre formas de expressão artísticas diferentes, como intervenções, performances e espetáculos, acontecendo em espaços variados do Teatro, migrando também pelo Centro da Cidade.

Porém, a programação de aniversário do Teatro não se restringe só ao “Zona de Transição”. No dia 16, acontece a segunda edição da Virada Cultural do TJA. Mais de 24 horas de programação comemorativa. Entre as apresentações previstas estão o show da cantora paulistana Tiê e do grupo argentino Tagheto, pioneiro na mistura de batidas nos acordes tradicionais no tango. Na madrugada da virada, a diversão fica a comando de festa com Djs convidados.

Izabel Gurgel, diretora do TJA e programadora do projeto Zona de Transição, comenta um pouco sobre as expectativas para o evento, “Talvez um festival artístico possa convocar a atenção pública para algo mais além da compra e venda que atravessa quase todas as nossas relações hoje. No caso do Zona de Transição, convocar a atenção para as artes cênicas, para o TJA, para o Centro, a área que concentra o maior número de equipamentos culturais da cidade e, muito provável, a área mais explicitamente degradada de Fortaleza.”

Vale a pena conferir de perto a programação de aniversário do Teatro José de Alencar, que está recheada de eventos ricos de cultura e talento.

Para saber mais sobre o evento e conferir a programação completa, acesse:
http://www.fundacaoamigostheatrojosedealencar.org/festival_zona_de_transicao.html.

Texto: Lígia Franco

Orientação: Profa. Adriana Santiago